Alojamento local: “condomínios a decidir? Deus me livre”

Domingos Cruz, ‘managing partner’ da CCA Ontier, critica as contradições da legislação em áreas como o alojamento local. Condomínios a decidir? “Deus me livre”, diz.

Cristina Bernardo

A CCA imagina-se a participar num movimento desses?
Já passámos o período de interrogação sobre para onde é que nós íamos. A partir do momento em que apostámos de forma decisiva na questão da Ontier, necessariamente, pusemos de parte fazer fusões com escritórios iguais, maiores ou mais pequenos. Aquilo para o qual estamos sempre disponíveis é para ter advogados tão bons ou melhores quanto aqueles que temos.

E abrir escritórios novos?
Abrimos no Porto e temos em linha a abertura de outros aqui em Portugal, mas desde que se justifique. Ou são equipas muito flexíveis e estruturas muito ligeiras ou então não faz tanto sentido.

Qual a dimensão da equipa?
Neste momento, estaremos a bater nos 50 advogados, sete sócios e cerca de 20 colaboradores.

Há planos de contratação?
Há. Entraram agora várias pessoas em setembro e já contratámos alguém para vir coordenar o nosso departamento fiscal, no próximo ano. Há outras áreas que queremos reforçar. Se os planos passam por crescer e desenvolver áreas temos de ter equipa. Historicamente, sempre fomentámos o crescimento orgânico e quando há uma vaga em certo departamento procuramos internamente, mas se não encontrarmos alguém com os experties necessários vamos buscar a outro lado.

Mudando de tema, para uma área em que o vosso escritório tem estado ativo: o que pensa do projeto de lei que visa dar aos condomínios o direito a aprovar um alojamento local?
Um dos problemas que existem em Portugal é que o legislador é esquizofrénico. Por exemplo, a Lei dos Estabelecimentos Turísticos diz que não é preciso ter nadador salvador nas piscinas do hotel. A Lei dos Nadadores Salvadores diz que é obrigatório. Qual adaptamos? Os advogados fazem figuras de parvos. Sistematicamente, somos postos perante elementos que se contradizem ou que não são lógicos. Na nossa profissão, aplicamos princípios lógicos. Aqui não dá. O alojamento local tem sido um dos fatores dinamizadores do turismo e da reabilitação urbana mas, às vezes, as pessoas esquecem-se de como estava a cidade de Lisboa antes desta viragem. Ainda há um abismo de diferença no número de pessoas que recorre ao alojamento local e aos hotéis. Não é uma atividade massificada. Trabalhamos com várias empresas de alojamento local e os números também demonstram que só funciona do Hotel Tivoli para baixo. Admitiria que pudesse haver regras sensíveis relativamente ao centro da cidade – Baixa, Alfama…-, para garantir disciplina e equilíbrio. Se querem assegurar que existe arrendamento para os lisboetas não o façam através da proibição. Façam-no através dos incentivos. O senhorio tem muito mais incentivo em fazer o arrendamento de longa duração se tiver uma dedução à coleta e puder pagar uma taxa média de imposto de 12% em vez de 28%.

É, portanto, contra a ideia de as assembleias de condomínios poderem impedir a instalação de um alojamento local?
Totalmente. Quem propôs isso, que não sei quem foi, nunca foi a uma assembleia de condóminos. Toda a gente vai lá para descarregar as frustrações do dia a dia. Se vamos mudar as regras a meio do jogo, quando as pessoas investiram a pensar numa determinada rentabilidade, e colocar a assembleia de condóminos a decidir sobre isso… Deus me livre.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Ler mais
Recomendadas

Morais Leitão e VdA assessoram aumento de capital da EDP

No apoio jurídico a esta operação estiveram ainda as sociedades de advogados britânicas Clifford Chance e Allen & Overy LLP.

PLMJ assessorou Wizink numa operação de 510 milhões de euros

“A operação de emissão de obrigações de titularização denominada “Victoria Finance no. 1”, colateralizada pelas receitas da titularização do portfolio de cartões de crédito, inédita em Portugal, foi aprovada pelo regulador do mercado de capitais, a Comissão de Mercado de Valores Mobiliários e foi fundamental para a consolidação da estratégia da WiZink para o mercado português”, disse a PLMJ, em comunicado.

Reestruturação da TAP: Boston Consulting Group escolhida para elaboração do plano

“A Boston Consulting Group (BCG), consultora selecionada para a elaboração do referido plano [de reestruturação] e para apoiar a TAP até à sua aprovação nas instâncias comunitárias, irá iniciar os seus trabalhos na próxima segunda-feira, dia 17 de agosto”, lê-se na mensagem de Miguel Frasquilho.
Comentários