Congresso CDS-PP: Mesquita Nunes critica quem apupou ministro que “tirou país da bancarrota”

O dirigente do CDS-PP falava dos apupos a Pires de Lima, antigo ministro da Economia, quando pediu respeito a Francisco Rodrigues dos Santos, candidato à liderança dos centristas.

O dirigente do CDS-PP, Adolfo Mesquita Nunes, criticou os delegados que vaiaram Pires de Lima, antigo ministro da Economia, porque “um partido que tem orgulho da sua história não apupa um ministro que tirou o país da bancarrota”.

“Um partido que tem orgulho da sua história não apupa um ministro que tirou o país da bancarrota”, afirmou Mesquita Nunes, coordenador do programa eleitoral do partido, na direção de Assunção Cristas, minutos depois de Pires de Lima ter sido apupado pelos delegados, por ter criticado Francisco Rodrigues dos Santos.

“Francisco Rodrigues dos Santos és seguramente um jovem com potencial, mas em democracia, se queres dar-te ao respeito, começa tu por mostrar respeito pelos teus adversários”, afirmou Pires de Lima, sendo depois vaiado e aplaudido ao mesmo tempo.

O ex-secretário de Estado do Turismo, que apoia João Almeida, confessou que, nos últimos dias, não gostou do que ouviu sobre ele, como “direita envergonhada” ou “direita de champanhe”.

Pessoalmente, afirmou, sempre defendeu Francisco Rodrigues dos Santos, porque ambos são do mesmo partido, que “precisa de união”.

Mas a acusação que mais o magoou foi mesmo a de “relativismo moral”, ao dizer: “Nós, os católicos prestamos contas a Deus e não aos dirigentes do CDS”.

Ler mais
Recomendadas
Grupo Parlamentar do PS

Morreu Miranda Calha, histórico da Assembleia da República e ex-governante socialista

Deputado por Portalegre entre 1975 e 2019, o socialista Miranda Calha foi ainda secretário de Estado do Desporto de António Guterres, e secretário de Estado da Defesa de José Sócrates. Não resistiu ao AVC que sofreu neste sábado.

Governo legaliza estrangeiros em situação irregular 

O diploma “determina que a gestão dos atendimentos e agendamentos seja feita de forma a garantir inequivocamente os direitos de todos os cidadãos estrangeiros com processos pendentes no SEF, no âmbito da covid-19” e argumenta com a necessidade de dar resposta aos pedidos destes estrangeiros em Portugal em situação irregular.

Marcelo apela a respeito pela contenção no período da Páscoa

É um apelo coletivo. No fundo, estamos perante uma tarefa coletiva, que estamos a viver, que estamos a vencer, porque a adesão dos portugueses é massiva, mas tem de continuar”, afirmou o Presidente da República.
Comentários