Congresso do PCP sem convidados e com redução do número de delegados

De acordo com a Lusa, que teve acesso a informação por parte de fonte partidária, a primeira medida de restrição aplica-se ao número de delegados presentes. Dos 1.200 inicialmente previstos, apenas metade poderão garantir presença neste congresso e nenhum deles terá acesso a mesas, apenas cadeiras.

Restrição no número de delegados, regras rígidas para entrar e circular do pavilhão e a inexistência de mesas entre os delegados são algumas das medidas restritivas que irão marcar o XXI congresso do PCP, encontro que irá decorrer a 27, 28 e 29 de novembro de 2020 no Pavilhão Paz e Amizade, em Loures.

De acordo com a Lusa, que teve acesso a informação por parte de fonte partidária, a primeira medida de restrição aplica-se ao número de delegados presentes. Dos 1.200 inicialmente previstos, apenas metade poderão garantir presença neste congresso e nenhum deles terá acesso a mesas, apenas cadeiras. Estes 600 delegados irão espalhar-se pelo pavilhão (incluindo bancadas) e terão de ter em atenção o respeito pelas regras de segurança.

As mesas estarão reservadas aos órgãos executivos e haverá circuitos de entrada, circulação e saída de delegados e dirigentes do partido.

Com a redução de delegados, o PCP optou também por não ter convidados para que seja reduzido ao mínimo o número de pessoas presentes, num congresso que tem merecido muita crítica por parte dos partidos à direita.

“O Presidente da República não obstaculizou nem levantou dúvidas ou dificuldades em relação à sua realização [do congresso comunista]”, garantiu Jerónimo de Sousa, à saída de uma audiência no Palácio de Belém, adiantando que tem havido ligação com a Direção-Geral da Saúde na preparação do evento.

O XXI congresso nacional do PCP realiza-se em 27, 28 e 29 de novembro de 2020 no Pavilhão Paz e Amizade, em Loures, sob o lema “Organizar, Lutar, Avançar – Democracia e Socialismo”.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários