Conselho das Finanças Públicas prevê excedente orçamental já este ano

Organismo prevê saldo positivo de 0,1%, depois das alterações metodológicas às contas nacionais feitas pelo INE em setembro. Sem Novo Banco, excedente já seria de 0,7%.

Cristina Bernardo

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) espera que Portugal atinja já este ano um saldo positivo nas contas públicas, que deverá manter-se nos próximos quatro anos num cenário de manutenção das atuais políticas económicas e orçamentais.

Num relatório publicado esta quinta-feira sobre a situação e as condicionantes orçamentais até 2023, o organismo presidido por Nazaré da Costa Cabral perspetiva um excedente de 0,1% do PIB em 2019, apesar dos efeitos temporários e não recorrentes “ainda significativos”, sobretudo os decorrentes da recapitalização do Novo Banco. “Descontando esses efeitos temporários, atingir-se-ia um excedente de 0,7% do PIB em 2019”, indica o relatório.

Esta previsão do saldo orçamental é mais otimista do que a do Governo, que no final de Setembro enviou a Bruxelas uma projeção de défice de 0,2%. A confirmar-se o valor antecipado pelo CFP, seria a primeira vez em democracia que Portugal teria um superaávite nas contas públicas, que, segundo o relatório, tem condições para se manter nos próximos anos: “Num cenário de políticas invariantes, espera-se um excedente orçamental em todo o horizonte de projeção [até 2023]””, refere.

As novas projeções do CFP traduzem em larga medida a revisão das contas nacionais e dos agregados orçamentais anunciada pelo INE a 23 de setembro, que resultou num quadro mais positivo de Portugal em termos orçamentais e de crescimento do PIB, quer este ano quer nos exercícios anteriores. O relatório publicado hoje também já contém a informação sobre os desenvolvimentos orçamentais de parte do terceiro trimestre.

A nova estimativa do CFP para o saldo orçamental em 2019 “tem, por si só, implicações favoráveis nos desenvolvimentos orçamentais nos anos seguintes”, porque é um ponto de partida mais positivo. Assim, num cenário de políticas invariantes, o excedente situar-se-ia em 0,3% do PIB em 2020, em linha com o previsto no Programa de Estabilidade. “Para os anos seguintes, após um maior excedente em 2021 (de 0,8% do PIB), projeta-se que o saldo das AP regresse a 0,3% do PIB em 2022, com uma ligeira diminuição em 2023 para 0,2% do PIB”, indica.

Abrandamento económico

Quanto à evolução da economia, as projeções do CFP para a economia portuguesa “apontam para a continuação de uma trajetória de abrandamento da atividade económica no período 2019-2023”.

Num cenário de políticas invariantes, o organismo prevê uma desaceleração da taxa de crescimento para 1,9% este ano, e uma redução adicional para 1,5% até 2023. “A redução esperada para 2019 reflete, por um lado, o abrandamento no crescimento das exportações devido a um quadro internacional e procura externa menos favoráveis e, por outro lado, a moderação da expansão da procura interna, em particular do consumo privado”, explica o organismo.

O CFP antecipa um enquadramento externo com um “crescimento modesto” da economia global, em particular na Zona Euro, com riscos associados à escalada protecionista, à desaceleração da economia chinesa, à incerteza associada ao Brexit e às tensões no Médio Oriente.

Ler mais

Recomendadas

OE2020: Mais 111 milhões para obras nas escolas com prioridade para remoção do amianto

O ministro da Educação anunciou hoje no parlamento uma verba adicional de 111 milhões de euros para obras nas escolas, com prioridade para os estabelecimentos com estruturas com amianto.

Moody’s mantém ‘rating’ de Portugal inalterado

Agência norte-americana não se pronunciou sobre a notação da dívida soberana portuguesa, que se mantém em ‘Baa3’ e perspetiva ‘positiva’. Tal como na primeira avaliação do ano passado, a Moody’s atualizou apenas o calendário indicativo da próxima avaliação, marcada para 17 de julho.

Observatório de turismo do Algarve vai integrar rede mundial da OMT

O reconhecimento do observatório regional pela OMT acontecerá dia 23, na próxima quinta-feira, durante a FITUR, a feira de turismo de Madrid à qual o Algarve regressa este ano e onde se promoverá de 22 a 26 de janeiro.
Comentários