Conselho Económico e Social aponta desvio de 2 mil milhões no investimento público entre 2016 e 2018

A conclusão integra o projeto de parecer do Conselho Económico e Social (CES) sobre a Conta Geral do Estado (CGE) relativa a 2018 a que a Lusa teve hoje acesso.

– O Conselho Económico e Social diz que houve um desvio de 2 mil milhões de euros entre o investimento público orçamentado e o executado entre 2016 e 2018 e quer que estas diferenças constem da Conta Geral do Estado.

A conclusão integra o projeto de parecer do Conselho Económico e Social (CES) sobre a Conta Geral do Estado (CGE) relativa a 2018 a que a Lusa teve hoje acesso.

“O CES gostaria de ver nas próximas CGE, uma análise dos desvios face às previsões”, afirma o órgão de consulta e de Concertação Social, defendendo que a análise “ajudaria a perceber melhor a execução das políticas” previstas no Orçamento do Estado e “as opções feitas” pelo Governo para os anos seguintes.

Segundo o documento, o desvio entre o valor do investimento público efetivo e o previsto nos anos de 2016, 2017 e 2018 “totaliza mais de 2 mil milhões de euros”, representando uma execução orçamental no triénio de menos 18% em relação ao orçamentado.

O CES realça que, em 2018, o investimento público aumentou 11,3% face ao ano anterior, mas o valor ficou “muito aquém (quase metade) do que estaria previsto no OE2018 [Orçamento do Estado de 2018]”.

“O desvio entre o valor efetivo e o previsto representou mais de 600 milhões de euros” em 2018, realça o órgão presidido por António Correia de Campos.

Além disso, o CES volta a alertar para os “valores excessivos de cativações e reserva orçamental, determinados sem critérios óbvios que não o quantitativo, e para o impacto que os mesmos podem ter na previsibilidade e estabilidade do funcionamento de serviços públicos fundamentais”.

As cativações registaram um valor inicial de 1.057 milhões de euros em 2018 e “perto de um terço ficou por gastar”, refere aquele órgão consultivo.

Para o CES, a CGE é “o principal documento de prestação de contas” do Estado” e “deveria servir de base a um debate alargado na sociedade” e “permitir o controlo da política orçamental através de uma clara comparabilidade entre as políticas públicas implícitas no OE e a sua execução”.

Porém, o CES considera que a CGE de 2018 “continua a ter limitações na prossecução destes dois objetivos”.

Ler mais

Recomendadas

Bancos têm até hoje para enviar ao regulador planos de prevenção do branqueamento de capitais

Os bancos têm até hoje para enviarem ao Banco de Portugal os planos de financiamento e os relatórios de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, depois dos prolongamentos dos prazos devido à covid-19. Numa situação normal, estes relatórios já deveriam ter sido enviados pelos bancos, mas o regulador e supervisor bancário anunciou a prorrogação dos prazos em abril, considerando que é de “particular importância” a qualidade da informação financeira e prudencial no atual contexto económico. O Banco de Portugal prolongou ainda, para 12 de junho, o reporte de informação financeira em base individual e o reporte de informação para fins de supervisão aplicável às sociedades financeiras, assim como a informação sobre empresas incluídas no perímetro de consolidação e sobre a evolução da carteira de crédito.

Proprietários tem até hoje para pagar primeira fase ou a totalidade do IMI

Os quase quatro milhões de contribuintes que receberam uma nota de liquidação do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) têm até hoje para efetuar o pagamento da primeira prestação ou da totalidade do imposto.

Portugal “entalado” entre dívida e União Europeia

João Duque refere que ajudas às empresas têm de ser “estritamente para acudir à Covid”, enquanto a CIP defende que “não é com moratórias ou com o aumento do endividamento que se resolve o problema”.
Comentários