Conselho Europeu dá aprovação final à nova diretiva dos direitos de autor

O Conselho de Ministros da União Europeu aprovou a directiva sobre os direitos de autor, que inclui o controverso artigo 17 (o anterior artigo 13). A legislação foi votada pela maioria dos ministros da UE esta manhã, apesar da oposição da Itália, Luxemburgo, Holanda, Polónia, Finlândia e Suécia.

O conselho da União Europeia aprovou esta segunda-feira, 15 de abril, a nova diretiva dos direitos de autor. Em causa estão os artigos 15 (anterior artigo 15) e o artigo 17 (anterior artigo 13) que já tinham sido aprovados, a 26 de março, no Parlamento Europeu com 348 votos a favor e 274 contra.

As regras avançam agora para publicação em diário oficial, depois os estados-membros terão dois anos para transporem a diretiva para a ordem jurídica nacional.

Parlamento Europeu vota a favor da nova Diretiva dos Direitos de Autor

O texto aprovado inclui o controverso artigo 17 (o antigo artigo 13), que dá aos autores a possibilidade de cobrar pelos conteúdos disponibilizados pelas plataformas online, como o YouTube, mesmo que o conteúdo tenha sido carregado pelos utilizadores. Também inclui o artigo 15 (o antigo artigo 11), que permitirá às empresas de comunicação social cobrarem pelos links em agregadores, como o Google News, e nas redes sociais.

No entanto, esse não era o fim do caminho, pois a legislação ainda precisava ser aprovada pelo Conselho de Ministros (o principal órgão legislativo da UE) antes da formalização da nova diretiva.

Além da numeração diferente, o texto final da diretiva passou também a prever exceções, que resultam de modificações feitas pela França e pela Alemanha, dois dos países com mais peso no Conselho da UE.

Assim, o artigo 15.º passa a excluir do pagamento à imprensa a utilização de partes dos seus conteúdos para uso privado, como palavras ou frases curtas.

No que toca ao artigo 17.º, as plataformas que tenham um volume de negócios anual abaixo dos dez milhões de euros, menos de cinco milhões de visitantes por mês e estejam ‘online’ há menos de três anos têm obrigações mais ligeiras.

Todas as restantes são obrigadas a instalar um sistema para controlar o material que é carregado pelos utilizadores, sem afetar “as utilizações legítimas”, que era uma das preocupações do setor.

Isto significa que as ‘gigantes’ tecnológicas (como o YouTube ou o Facebook) passam a ser responsáveis pelos conteúdos carregados pelos utilizadores, devendo celebrar acordos de concessão de licenças com os titulares de direitos e disponibilizar mecanismos de reclamação.

Tal como salientou Julia Reda, deputada do Parlamento Europeu, 55% dos Estados-Membros, que representam 65% da população, foi obrigada a adotar a legislação. Isso foi facilmente conquistou 71,26% dos votos a favor, o que significa que a nota será agora lei.

Como mostra a imagem acima, vários países votaram contra a diretiva, incluindo Itália, Luxemburgo, Holanda, Polónia, Finlândia e Suécia.  A Bélgica, Estónia e Eslovénia abstiveram-se

Ler mais
Recomendadas

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

Manifesto X de Pedro Duarte quer índice de “Felicidade Interna Bruta” a medir desenvolvimento nacional

Medida conta na lista de 100 propostas apresentadas esta segunda-feira pelo social-democrata Pedro Duarte, crítico da liderança de Rui Rio, para a construção de uma sociedade “de bem-estar e felicidade”, mais justa, inclusiva e ecologicamente sustentável.

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.
Comentários