Conservadores de Boris Johnson terão maioria no parlamento, conclui sondagem

O estudo de opinião da YouGov aponta para que o partido ganhe 359 dos 650 lugares no parlamento britânico – o melhor resultado em mais de 30 anos.

O Partido Conservador britânico, liderado por Boris Johnson, deverá conquistar a sua maior representação parlamentar em mais de três décadas, de acordo com a sondagem da YouGov. O estudo de opinião mais aguardado da campanha eleitoral do Reino Unido prevê que os conservadores ganhem 359 dos 650 lugares no parlamento, conquistando, assim, a maioria.

Se as eleições que se realizam no próximo dia 12 de dezembro fossem hoje o Partido Trabalhista, de Jeremy Corbyn, ganharia 211 lugares (menos 51). Já os Liberais democratas ficariam com 13 deputados, enquanto o Partido Nacional Escocês conquistaria 43 cadeiras, segundo este inquérito.

“Tal como esperado, a principal coisa que decide em que medida cada uma desses lugares se está a movimentar contra o Partido Trabalhista é como é que foi o voto no referendo da União Europeia. Isso está a permitir que os Conservadores façam uma reviravolta com maiorias bastante substanciais”, explicou Chris Curtis, gestora de sondagem política do YouGov.

A potencial maioria dos ‘Tories’ em mais de 30 anos permitiria que Boris Johnson cumprisse a sua promessa de conseguir o acordo sobre o Brexit no parlamento até ao dia 31 de janeiro de 2020, bem como dar-lhe maior liberdade para assumir compromissos nas negociações subsequentes com a União Europeia, após o divórcio entre Londres e Bruxelas.

Reino Unido: conservadores temem sondagens enganosas

Ler mais
Recomendadas

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.

PremiumCarlos Zorrinho: “OE foi muito tático na forma como foi discutido e votado”

Eurodeputado eleito pelo PS entende que as abstenções do BE, PCP, PEV e Livre mostram vontade de continuar a negociar com o Governo. E defende uma transição digital e energética “mais justa” e concorda com propostas de redução do IVA da eletricidade.

“Este governo tem um problema que é a imprevisibilidade”

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, à Antena1/Jornal de Negócios, diz que “este governo tem um problema que é a imprevisibilidade”, uma vez que não há acordo com os partidos à esquerda e por isso não se sabe que posição vão tomar.
Comentários