Construção continua a crescer no segundo trimestre, apesar de quebra nas obras públicas

“Só a evolução dos dados relacionados com o mercado das obras públicas, e apurados com base na informação disponibilizada no PortalBase, é menos animadora”, refere a Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas

O sector da construção e obras públicas continuou a mostrar dinamismo, no segundo trimestre do ano, especialmente devido à construção de habitação, e apesar do decréscimo do valor das obras públicas licenciadas, informa a Fepicop – Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas.

Na síntese de conjuntura relativa a agosto, divulgada esta terça-feira, a Fepicop aponta que o desempenho do sector da construção se manteve “positivo”, no segundo trimestre do ano, “com a evolução dos diversos indicadores associados à sua atividade a revelar-se favorável”, quando a economia terá crescido 2,3%, em termos homólogos.

O emprego no sector subiu 3,9% no segundo trimestre, face a igual período de 2016 e nota-se uma aceleração do crescimento homólogo do consumo de cimento, de 2,9% em maio, para 4,7% em julho.

A Fepicop indica que “o número de fogos habitacionais licenciados cresceu, em termos homólogos, 36% durante os primeiros seis meses do ano, a par de um aumento de 33% na respetiva área de construção licenciada”.

Paralelamente, “no que concerne à construção não residencial privada, o crescimento da respetiva área licenciada foi de 6% até junho, com aumentos mais expressivos nas áreas destinadas ao comércio (+48%) e à indústria (+16%)”.

Nota, no entanto, que, em contrapartida, “as áreas de edifícios destinados a turismo e a transportes decaíram de forma acentuada”, com a primeira a cair 51% e a segundo 82%, no período em análise.

“Só a evolução dos dados relacionados com o mercado das obras públicas, e apurados com base na informação disponibilizada no PortalBase, é menos animadora, já que no que concerne ao lançamento de obras regista-se uma quebra no valor lançado a concurso (-7% face ao primeiro semestre de 2017)”, refere a associação. “Em contrapartida, relativamente aos contratos celebrados, a dinâmica é positiva, com o montante total dos contratos de empreitadas de obras públicas celebrados a crescer 12% em termos homólogos, até junho”, acrescenta.

Ler mais
Recomendadas

Planos não faltam para recuperar Notre Dame: Da piscina no topo ao telhado todo em vidro

Exatamente um mês depois do incêndio que devastou grande parte da histórica Catedral Notre Dame, alguns arquitetos decidiram divulgar as suas próprias visões sobre como a catedral deverá renascer das chamas.

INE: Custo médio com trabalhadores no público sobe 3,5% devido ao descongelamento de carreiras

O custo médio por trabalhador no setor público pode ser “explicado pelo pagamento faseado do descongelamento de carreiras”, segundo o INE.

Esta é a “cidade da água” que vai nascer na antiga Lisnave em Almada

O concurso para o projeto “Cidade da Água” foi apresentado esta terça-feira, pelos responsáveis da empresa Baía do Tejo, no mesmo lugar onde a nova cidade vai nascer nas margens do rio que une Lisboa e a margem sul do Tejo.
Comentários