PremiumConstrutoras espanholas ganham mais de 80% das grandes obras públicas

O panorama é desolador e pode agravar-se em breve com os concursos do último troço da linha ferroviária de Évora para fronteira ou do Hospital Lisboa Oriental, em que a Sacyr e FCC estão à frente.

Os grandes projetos de obras públicas em Portugal lançados nos últimos dois anos – 2019 e 2020 – têm estado a ser adjudicados de forma esmagadora aos grupos construtores espanhóis, deixando as construtoras portuguesas desesperadas, de acordo com diversas fontes contactadas pelo Jornal Económico, que solicitaram o anonimato. Segundo um levantamento exaustivo levado a cabo pelo Jornal Económico, os grandes concursos de obras públicas lançados em Portugal nestes últimos dois anos, com valores de abjudicação de valor igual ou superior a 10 milhões de euros inscritos nos respetivos cadernos de encargos, têm sido maioritariamente ganhos por construtoras do país vizinho: do montante apurado lançado pela s diversas entidades públicas nacionais para o mercado neste período, num montante global de cerca de 1.600 milhões de euros, cerca de 1.300 milhões de euros foram garantidos por grupos construtores espanhóis.

Ou seja, mais de 80% do valor em causa, mais precisamente, 81,25% do montante em jogo nesses concursos foi atribuído às construtoras espanholas, que assim, têm ficado com a fatia de leão deste boom do sector, após anos de marasmo e recessão. Desde o início de 2019 até ao momento presente, as construtoras portuguesas asseguraram apenas 18,75% desse valor, segundo os dados recolhidos pelo Jornal Económico, quer dizer um pouco menos de 300 milhões de euros.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Construção e Imobiliário: impactos da pandemia e perspetivas futuras

As ações de mitigação a tomar nos próximos anos são sobretudo de caráter político-económico, começando com investimento público como meio para estimular a economia e, subsequentemente, incentivar o desenvolvimento do setor privado.

Mota-Engil assina contrato de 1.490 milhões na Nigéria e Níger

O contrato, considerado o maior de sempre na história da construtora nacional, respeita à construção de uma linha férrea com cerca de 374 quilómetros de extensão que atravessa os dois países africanos e que terá um prazo de execução de 32 meses.

AG da Mota-Engil aprova aumento de capital de 100 milhões

O conselho de administração reunirá no próximo dia 11 de janeiro para colocar o processo em andamento. Na Assembleia Geral estiveram presentes representantes de quase 70% do capital.
Comentários