PremiumConsumidores estão a mudar a produção

Cerealis, Grupo Primor, Novarroz e Tété faturam em conjunto cerca de 380 milhões de euros por ano e têm uma presença diversificada em mercados externos. Mas o segredo do negócio passa pela inovação.

As novas tendências globais de consumo na alimentação estão a obrigar as empresas nacionais do setor agroalimentar a apostar cada vez mais recursos humanos e financeiros na inovação. O Jornal Económico foi auscultar quatro empresas portuguesas da fileira agroalimentar para perceber as grandes novidades na calha, desde novas embalagens a novos produtos que estão prestes a chegar às nossas mesas.

Todas estas empresas beneficiam de um programa promovido pela PortugalFoods, o prémio ‘Ecotrophelia’, que já vai para a quarta edição em Portugal, em 2020. Trata-se de uma iniciativa que promove a eco-inovação, o empreendedorismo e a competitividade do setor agroalimentar, desafiando estudantes do ensino superior a desenvolverem produtos alimentares ‘fora da caixa’.

Artigo publicado na edição semanal de 2 de agosto, de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.

CGTP considera medidas na proposta de OE2022 insuficientes

A intersindical reconhece o mérito do desdobramento dos escalões do IRS, mas considera esta medida “manifestamente insuficiente” e pede mais rasgo no combate ao “modelo de precariedade” que vigora em Portugal.
Comentários