PremiumConsumidores estão a mudar a produção

Cerealis, Grupo Primor, Novarroz e Tété faturam em conjunto cerca de 380 milhões de euros por ano e têm uma presença diversificada em mercados externos. Mas o segredo do negócio passa pela inovação.

As novas tendências globais de consumo na alimentação estão a obrigar as empresas nacionais do setor agroalimentar a apostar cada vez mais recursos humanos e financeiros na inovação. O Jornal Económico foi auscultar quatro empresas portuguesas da fileira agroalimentar para perceber as grandes novidades na calha, desde novas embalagens a novos produtos que estão prestes a chegar às nossas mesas.

Todas estas empresas beneficiam de um programa promovido pela PortugalFoods, o prémio ‘Ecotrophelia’, que já vai para a quarta edição em Portugal, em 2020. Trata-se de uma iniciativa que promove a eco-inovação, o empreendedorismo e a competitividade do setor agroalimentar, desafiando estudantes do ensino superior a desenvolverem produtos alimentares ‘fora da caixa’.

Artigo publicado na edição semanal de 2 de agosto, de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Movimento cívico alerta para consequências da exploração de lítio na Serra d’Arga

A ação, promovida pelo Movimento de Defesa do Ambiente e Património do Alto Minho, pretende sensibilizar para a “calamidade da exploração mineira massiva” na serra d’Arga e “parar” um projeto que “põe em causa 20%” daquele território.
greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas_3

Fisco suaviza regras da tributação autónoma das ajudas de custo pagas por transportadoras

Numa informação vinculativa agora publicada, a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) precisa que “sendo tais gastos [as ajudas de custo] efetivamente faturados aos clientes (ainda que por inclusão no montante total debitado) não ficam sujeitos à tributação autónoma”, prevista no Código do IRC.

Aluguer de quartos: preços médios sobem mas procura não se ressente

“Este estudo aponta uma tendência clara: apesar da notória subida do preço médio dos quartos para arrendar, a procura não parece ressentir-se. Antes pelo contrário”, sublinha Andreia Pacheco, brand manager do OLX Portugal.
Comentários