Consumo das famílias na zona euro com maior queda em 20 anos

O consumo das famílias por habitante caiu 3% na zona euro no primeiro trimestre devido às medidas de contenção de combate à covid-19 na Europa, enquanto o rendimento disponível e a poupança aumentaram, divulgou hoje o Eurostat.

Despesas gerais familiares

Dados hoje divulgados pelo gabinete de estatísticas comunitário revelam que, “no primeiro trimestre de 2020, quando os Estados-membros começaram a introduzir amplamente medidas de contenção contra a covid-19 […], o consumo real ‘per capita’ das famílias diminuiu 3% na zona euro”.

Este é, segundo o Eurostat, o “decréscimo mais elevado desde o início da série temporal em 1999”, após uma descida de 0,4% na zona euro no anterior trimestre, o último de 2019.

Já no conjunto da União Europeia (UE), o consumo por habitante baixou 2,9% no primeiro trimestre, após uma diminuição de 0,2% no trimestre anterior, registando-se também aqui a maior queda desde 1999.

No que toca ao rendimento real por habitante das famílias da zona euro, verificou-se um aumento de 1,1% no primeiro trimestre de 2020, após um decréscimo de 1,1% no quarto trimestre de 2019.

Em toda a UE, o rendimento real ‘per capita’ das famílias aumentou 1,2% no primeiro trimestre de 2020, depois de uma diminuição de 1% no quarto trimestre de 2019.

O Eurostat adianta que, nos primeiros três meses deste ano, “a taxa de poupança dos agregados familiares aumentou significativamente na zona euro e na UE”, precisando que, em ambas, houve uma subida de 4,3 pontos percentuais neste indicador em comparação com o quarto trimestre de 2019.

Ler mais

Recomendadas

Euribor sobem a três e a 12 meses e caem a seis meses

A taxa a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, recuou para -0,433%, menos 0,005 pontos que na quarta-feira, contra o atual máximo desde pelo menos janeiro de 2015, de -0,114%.

Valor dos fundos de investimento em Portugal aumenta 600 milhões no segundo trimestre

A subida assentou sobretudo numa valorização dos ativos. Particulares continuam a ser a maior fatia dos detentores destes títulos.

Lay-off simplificado leva custo do trabalho a subir 13,5% no segundo trimestre

Portugal registou um acréscimo homólogo do índice de custo do trabalho superior à média da União Europeia, que é de 6,5%. “Esta evolução resultou da conjugação do decréscimo de 0,7% no custo médio por trabalhador com a redução de 12,2% no número de horas efetivamente trabalhadas por trabalhador”, explica o INE.
Comentários