Contagem integral do tempo de serviço dos professores foi aprovada

A deputada do Bloco de Esquerda, Joana Mortágua, anunciou no Facebook o resultado da votação: “‪Foi aprovada a recuperação integral do tempo de serviço dos professores. Ainda falta votar o modo, mas já foi reconhecido o direito, já há justiça‬”.

Está a decorrer a sessão da Comissão Parlamentar de Educação e Ciência na qual serão votadas propostas do PSD, do CDS-PP, do BE, do PCP e do PEV visando a contabilização integral do tempo de serviço dos professores que foi congelado. No que respeita à contabilização integral, já está garantida. Falta apenas decidir o modo como essa contabilização será efetuada.

“‪Foi aprovada a recuperação integral do tempo de serviço dos professores. Ainda falta votar o modo, mas já foi reconhecido o direito, já há justiça‬”, anunciou há minutos a deputada Joana Mortágua, do BE, em mensagem publicada na rede social Facebook.

No início da sessão, a deputada Margarida Mano, do PSD, considerou ser “essencial” que a Assembleia da República assegure a “correção do tempo de serviço congelado” dos professores. Em vez dos dois anos, nove meses e 18 dias aprovados pelo Governo, o PSD defende a contabilização dos nove anos, quatro meses e dois dias reivindicados pelos professores. No entanto, o PSD não estará disposto a comprometer-se com prazos concretos para o processo de contabilização.

Aliás, o PSD já tinha anunciado hoje no Parlamento um recuo na sua proposta sobre a contagem do tempo de serviço dos professores, retirando a norma que obrigava a contar já em 2019 mais de dois anos a todos os professores.

A Comissão Parlamentar de Educação e Ciência está a discutir e a votar as propostas de alteração dos partidos ao decreto do Governo relativo à contagem do tempo de serviço congelado aos professores, que os partidos, à exceção do PS, consideram que deve ser de nove anos, quatro meses e dois dias.

As propostas apresentadas por PSD, CDS-PP, BE, PCP e PEV convergiam num ponto: a contagem parcial proposta pelo decreto do Governo, já em vigor, e que devolve apenas dois anos, nove meses e 18 dias, passaria a ser feita de forma total para todos os professores, com efeitos a 1 de janeiro de 2019, e não no momento da próxima progressão na carreira, como pretendia o Governo.

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas. Contabilização integral do tempo congelado está garantida para os professores?

Propostas apresentadas por PSD, CDS-PP, BE, PCP e PEV convergiam num ponto: a contagem parcial proposta pelo decreto do Governo, já em vigor, e que devolve apenas dois anos, nove meses e 18 dias, passaria a ser feita de forma total para todos os professores, com efeitos a 1 de janeiro de 2019, e não no momento da próxima progressão na carreira, como pretendia o Governo.

Professores: PSD recua na exigência de que quase três anos de serviço sejam contados em 2019

Grupo parlamentar vai apresentar uma proposta de alteração no sentido de evitar uma eventual violação da chamada norma-travão orçamental, que impede que a Assembleia da República legisle no sentido de um aumento da despesa prevista no Orçamento do Estado aprovado.

Recuperação total do tempo de serviço dos professores e outras carreiras custaria 800 milhões de euros por ano

O Ministério das Finanças indica que o impacto orçamental do descongelamento de todo o tempo de serviço reivindicado seria equivalente a cerca de 3 anos de aumento dos salários para todos os trabalhadores do Estado à taxa de inflação ou ao aumento em 1 ponto percentual da taxa de IVA.
Recomendadas

António Costa não vai mexer no dossiê dos professores: “É um assunto bem encerrado”

O primeiro-ministro e fontes próximas do mesmo indicaram ao “Expresso” que a reestruturação da carreira docente está fora do programa do PS para as próximas legislativas.

António Costa diz que chumbo da contagem total do tempo dos professores foi “uma vitória da responsabilidade”

O primeiro-ministro considera que o resultado da votação em plenário esta sexta-feira é “clarificador” e respeita o princípio da equidade, equilibrando as contas públicas e mantendo a credibilidade internacional.

Mário Nogueira agradece a António Costa a decisão de continuar à frente da Fenprof

“O PS, o Governo e António Costa ajudaram-me a tomar uma decisão. Irei ser secretário-geral da Fenprof se o congresso assim decidir em 15 de junho, porque o Governo, o PS e António Costa merecem que a luta continue e eu estou disponível para a liderar”, disse hoje o secretário-geral da Fenprof.
Comentários