COP25: O pouco que havia para concluir não se concluiu, lamenta ministro do Ambiente

O governante disse que nas conclusões que se podem retirar da cimeira do clima se foi “no sentido certo” do ponto de vista da ambição, mas que não se conseguiu fechar “o único artigo que ainda estava em aberto no livro de regras do Acordo de Paris”.

matos_fernandes_crise_energetica_greve_motoristas
Inácio Rosa/Lusa

O ministro do Ambiente e da Acção Climática, João Pedro Matos Fernandes, lamentou que a cimeira da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o clima, que hoje terminou em Madrid, “soube a pouco” porque o “pouco que tinha para concluir não concluir”.

João Pedro Matos Fernandes comentou assim à Lusa os resultados da cimeira de Madrid (COP25), que depois de duas semana terminou esta manhã (dois dias depois do previsto).

Nas palavras do ministro a COP25 tinha desde o início uma “enorme diferença de expectativas” entre o que havia para discutir dento da cimeira e “o mundo cá fora”, com uma opinião pública muito sensibilizada em relação aos resultados.

“E desde o primeiro dia que de facto esta COP tinha pouco para discutir. Mas o que é facto é que no pouco que tinha para discutir, ou sobretudo no pouco que tinha para concluir, não concluiu. E nesse aspeto sabe de facto a muito pouco”, disse João Pedro Matos Fernandes.

Nas declarações à Lusa, o ministro considerou que as conclusões retiradas da COP25 vão “no sentido certo” do ponto de vista da ambição, que se concluiu o que havia para concluir relativamente à igualdade de género, mas que não se conseguiu fechar “o único artigo que ainda estava em aberto no livro de regras do Acordo de Paris” (acordo de 2015 que compromete praticamente todos os países do mundo na luta contra as alterações climáticas e estabelece regras).

O artigo em causa é o artigo 6.º e na COP pretendia-se eliminar, “ou pelo menos limitar dramaticamente aquilo que são os títulos de carbono que veem do passado e acabar com a dupla contabilização desses títulos” e “não se conseguiu fechar”, lamentou o ministro do Ambiente.

O artigo 6.º é o que permite aos países cooperar na implementação das “Contribuições Nacionalmente Determinadas” para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. Diz respeito a criação de regras, modalidades e procedimentos para um mecanismo de mercado, o chamado mercado do carbono.

Até agora ainda é possível (segundo outro acordo sobre o clima o Protocolo de Quioto) que países mais desenvolvidos e mais poluidores comprem aos que menos poluem direitos de emissões de gases com efeito de estufa, com os que compram e os que vendem a arrecadar créditos, que têm um valor económico.

João Pedro Matos Fernandes lamentou a falta de um acordo neste aspeto mas salientou que “a Europa esteve muito bem” nesta matéria e que “é mil vezes preferível não ter havido um acordo” do que se ter “conseguido um mau acordo”.

“Foram definidas regras para este ano e acreditamos que em julho é possível fechar esse artigo 6.º. Mas é um sinal muto negativo. Porque se pouco havia para decidir em concreto e esse pouco que havia não ter sido decidido não deixa de ser um sinal negativo para todos”, lamentou.

De resto Matos Fernandes considerou que a Europa “esteve muito bem” quando apresentou um acordo sobre o clima o chamado “Green Deal”, na mesma altura em que decorria a COP25.

“E Portugal esteve e estará bem. Porque não só apresentou os seus bons exemplos e mostrou estar de facto na linha da frente no combate às alterações climáticas, como se alguma mensagem negativa passar desta COP cá para fora, no sentido de alguns quererem menos ambição, Portugal não irá retroceder nem um milímetro”, garantiu.

E acrescentou: “Temos absoluta consciência não só do papel que representamos em face dos outros ma sobretudo do papel que representamos em face de nos próprios, e por isso vamos mesmo assumir, cumprir as metas que assumimos e ter um projeto de desenvolvimento para o país que é um projeto de criação de bem estar sustentável, a caminho de ser neutro em carbono e regenerador de recursos”.

Ler mais
Relacionadas

Organizações da sociedade civil temem “desastre completo” na conferência do clima

A diretora da Greenpeace afirmou que é “nas horas finais da COP” que se vai ver se a conferência é capaz de “dar resposta à ciência e às pessoas que pedem justiça climática ou se vai deixar os poluidores dominá-la”, o que seria “um desastre completo”.

Guterres pede ambição no combate contra alterações climáticas

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, desafiou hoje os Estados a transmitirem “mensagens ambiciosas” alinhando os objetivos climáticos com o trabalho científico para que a temperatura não ultrapasse os 1,5 graus até ao final do século.

Ministro do Ambiente desvaloriza queda de Portugal em índice de desempenho ambiental

O ministro do Ambiente desvalorizou hoje em Madrid a queda de Portugal no ‘índice de desempenho das alterações climáticas’ divulgado na COP25, considerando que “são dados de 2017”, um ano em que houve uma grande seca.
Recomendadas

Parlamento discute hoje e vota referendo sobre a eutanásia na sexta-feira

O parlamento discute hoje e vota na sexta-feira uma proposta de referendo sobre a eutanásia, que divide direita e esquerda, mas em que há um bloco maioritário para a “chumbar”, do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.
Comentários