Coronavírus contagia Wall Street que cai mais de 4%

A Microsoft caiu mais de 7% depois de um ‘profit warning’. O mercado de ações continua em queda acentuada. Noutros mercados, o petróleo crude West Texas cai 4,9%, para 46,34 dólares, fruto da menor procura mundial devido ao coronavírus.

O coronavírus continuou no centro das atenções e Wall Street fechou em queda, com o Dow Jones a perder  4,42% para 25.907,69 pontos, tendo perdido mais de 1.000 pontos, num dia. O S&P 500 desceu 4,42% para 2.978,75 pontos e o Nasdaq desceu 4,61% para 8.566,5 pontos.

A Goldman Sachs prevê crescimento zero nos resultados empresariais nos Estados Unidos. As ações do banco norte-americano tombaram 4,68%, para 205,69 dólares.

Uma das últimas empresas a lançar um profit warning de revisão em baixa da estimativa de resultados foi a Microsoft, que na noite passada confirmou que os seus números serão afetados por esta crise de saúde. As ações tombaram 7,05% e lideraram as vendas no Dow Jones. Além disso, a Apple caiu 6,4% e a ExxonMobil 6%, num dia que foi catastrófico.

A Bolsa de Nova Iorque caiu mais de 10% desde o recorde de quarta-feira e entrou em correção. A expansão do coronavírus em vários países antecipa que o seu impacto económico será maior do que o inicialmente estimado, o que está a fazer com que os investidores fujam para ativos mais seguros, como bonds e ouro. Wall Street está a caminho de fechar a semana mais baixa desde 2008.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, insistiu ontem quarta-feira, que o risco de coronavírus no país norte-americano é “muito baixo” e anunciou que colocou o vice-presidente, Mike Pence, à frente da administração para lidar com o surto. Já há confirmação de 33 casos de coronavírus ​​na Califórnia, um dos quais não havia viajado para o exterior.

Em nível macroeconómico, o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA ficou em 2,1% em 2019, de acordo com dados publicados nesta quinta-feira, o que significa que o crescimento económico se manteve, apesar da queda do aumento do consumo ao longo do ano passado.

Os dados coincidem com a estimativa anterior e estão alinhados com as expectativas do mercado. No entanto, o que realmente interessa aos investidores é saber qual será o impacto do coronavírus na economia americana e global, tanto no primeiro trimestre como durante o ano de 2020.

As encomendas de Bens duradouros nos EUA tiveram um desempenho acima do previsto. Mas desceu em janeiro, um sinal de que a indústria começou o ano com um ritmo tépido. O recuo em relação a dezembro foi de 0,2%, ainda assim uma queda mais suave do que a queda de 1,5% projetada por economistas

Noutros mercados, o petróleo crude West Texas cai 4,9%, para 46,34 dólares, fruto da menor procura mundial devido ao coronavírus. Por outro lado, a onça de ouro sobe 0,1%, para 1.643 dólares.

Ler mais

Recomendadas

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”.

Wall Street cai mais de 3% apesar da “bazuca” de 2,2 biliões de dólares

Março de 2020 ficará para a história dos mercados como um dos meses mais loucos de sempre. NYSE fechou em queda num dia em que Congresso dos Estados Unidos entrega um pacote de resgate de 2,2 biliões de dólares.

Bolsas regressam às quedas com setor automóvel a liderar. BCP cai 4% ao adiar dividendos

As desvalorizações mais expressivas dos setores Auto e de Viagens & Lazer espelham a preocupação dos investidores quanto à evolução da pandemia Covid-19, segundo a análise do analista da Mtrader. O BCP cai em bolsa 4% depois de cancelar dividendos e em dia de moratória de créditos.
Comentários