Coronavírus e incertezas geopolíticas levam Wall Street a fechar semana no ‘vermelho’

O setor da tecnologia voltou a ter um peso fundamental na forma como as ações negociaram esta sexta-feira. Depois de abrir a perder cerca de 14%, a Intel liderou as quedas depois do gigante tecnológico norte-americano ter informado um atraso na produção de um chip.

Crash de 25% em Wall Street

Wall Street encerrou a semana no ‘vermelho’ com os três principais índices norte-americanos a ressentirem-se da incerteza dos investidores causada sobretudo pelo aumento dos casos de coronavírus mas também incertezas geopolíticas, que se estão a manifestar num conflito diplomático entre EUA e China.

O setor da tecnologia voltou a ter um peso fundamental na forma como as ações negociaram esta sexta-feira. Depois de abrir a perder cerca de 14%, a Intel liderou as quedas depois do gigante tecnológico norte-americano ter informado um atraso na produção de um chip.

Assim, o Dow Jones caiu 0,69%, para 26.469,34 pontos, o S&P 500 .SPX perdeu 0,62%, para 3.215,62 pontos, e o Nasdaq .IXIC recuou 0,94%, para 10.363,18 pontos.

Recomendadas

Membro do BCE levanta dúvidas à extensão dos critérios de flexibilidade do PEPP a outros programas

Yves Mersch, membro da Comissão Executiva e vice-presidente do Conselho de Supervisão do Banco Central Europeu (BCE), recorda que o programa de compra de ativos de emergência é temporário e diz que “a flexibilidade irrestrita também aumenta o risco de arbitrariedade”.

Bolsa de Lisboa em terreno positivo com EDP a liderar ganhos

Lá fora, várias das principais praças europeias seguem a valorizar: Paris ganha 0,92%, Frankfurt valoriza 1,01 euros, e Madrid sobe 0,82%.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quarta-feira

INE irá divulgar o défice do primeiro semestre do ano. A COF debate e vota as regras sobre as nomeações para o Banco de Portugal e um requerimento dos socialistas sobre a auditoria da Deloitte ao Novo Banco. Lá fora, os investidores estão atentos aos PMI e às declarações do presidente da Fed.
Comentários