Coronavírus faz a primeira vítima mortal em Pequim

A primeira vítima mortal de Pequim era um homem de 50 anos que visitou Wuhan a 8 de janeiro e desenvolveu sintomas febris posteriormente a retornar a Pequim, cerca de sete dias depois, divulgou a comissão da saúde da capital chinesa.

As autoridades de Pequim confirmaram esta segunda-feira, 27 de janeiro, a primeira morte na capital chinesa relacionada com o coronavírus

Atualmente, as autoridades que estão a tratar do vírus indicam que já morreram 80 pessoas, existindo ainda mais de dois mil casos registados no mundo. Este número tem causado alarme global, uma vez que os Estados Unidos e alguns países na Europa já registaram a existência de alguns casos.

A primeira vítima mortal de Pequim era um homem de 50 anos que visitou Wuhan a 8 de janeiro e desenvolveu sintomas febris posteriormente a retornar a Pequim, cerca de sete dias depois, divulgou a comissão da saúde da capital chinesa. Antes de se ter tornado pública a primeira morte, Pequim interrompeu o serviço de autocarros de longa distância.

As autoridades responsáveis pela contenção do vírus promulgaram largas restrições de viagens por todo o país, de forma a impedir que o Coronavírus se espalhe. As proibições de transporte também foram promulgadas em Wuhan e em outras cidades na província central de Hubei, isolando um total de 56 milhões de pessoas.

Em Portugal verificou-se a suspeita de um caso de um cidadão estrangeiro que tinha chegado há pouco tempo da China mas os resultados das análises deram negativo.

Recomendadas

Crise no comércio e restauração de portugueses em Macau agrava-se sem mercado de Hong Kong

“Ficámos assim reduzidos aos clientes e bons amigos de Macau e, também, aos que nos vão chegando, a conta-gotas, do continente”, do interior da China, explicou a proprietária do Cool-Thingz & PortugueseSpot, agora que se assinala um ano desde que o território registou o primeiro caso de covid-19.

Administração Biden anuncia suspensão por 100 dias das deportações de imigrantes

“Durante 100 dias, a partir de 22 de janeiro de 2021, o DHS [Departamento de Segurança Nacional] suspenderá as deportações de certos não cidadãos cujas deportações foram ordenadas”, disse o secretário interino David Pekoske, recentemente nomeado por Biden.

Tomada de posse de Biden marcada pela segurança e sem qualquer distúrbio

As preocupações com segurança no dia da transição de poder nos EUA levou a um aparato nunca antes visto em Washington, mas também nos Capitólios estatais por todo o país. A cerimónia correu, ainda assim, sem imprevistos ou distúrbios.
Comentários