Coronavírus faz a primeira vítima mortal em Pequim

A primeira vítima mortal de Pequim era um homem de 50 anos que visitou Wuhan a 8 de janeiro e desenvolveu sintomas febris posteriormente a retornar a Pequim, cerca de sete dias depois, divulgou a comissão da saúde da capital chinesa.

As autoridades de Pequim confirmaram esta segunda-feira, 27 de janeiro, a primeira morte na capital chinesa relacionada com o coronavírus

Atualmente, as autoridades que estão a tratar do vírus indicam que já morreram 80 pessoas, existindo ainda mais de dois mil casos registados no mundo. Este número tem causado alarme global, uma vez que os Estados Unidos e alguns países na Europa já registaram a existência de alguns casos.

A primeira vítima mortal de Pequim era um homem de 50 anos que visitou Wuhan a 8 de janeiro e desenvolveu sintomas febris posteriormente a retornar a Pequim, cerca de sete dias depois, divulgou a comissão da saúde da capital chinesa. Antes de se ter tornado pública a primeira morte, Pequim interrompeu o serviço de autocarros de longa distância.

As autoridades responsáveis pela contenção do vírus promulgaram largas restrições de viagens por todo o país, de forma a impedir que o Coronavírus se espalhe. As proibições de transporte também foram promulgadas em Wuhan e em outras cidades na província central de Hubei, isolando um total de 56 milhões de pessoas.

Em Portugal verificou-se a suspeita de um caso de um cidadão estrangeiro que tinha chegado há pouco tempo da China mas os resultados das análises deram negativo.

Recomendadas

Covid-19: FMI admite que crescimento mundial desça para 3,1% este ano

A diretora-geral do FMI admitiu que a previsão de 3,3% para o crescimento da economia mundial possa descer 0,1 ou 0,2 pontos percentuais devido à propagação do coronavírus.

Governo dos EUA exige libertação de tio de Juan Guaidó

Washington acusa Caracas de “inventar provas”, e que vai responsabilizar diretamente Nicolás Maduro pelo que acontecer a Juan Guaidó e à sua família.

Irão quer levar caso do assassínio de general iraniano às instâncias internacionais

O responsável pelo poder judiciário no Irão, Ebrahim Raisi, disse hoje que está a trabalhar com o Iraque para levar às instâncias internacionais o caso do assassínio de Qassem Soleimani.
Comentários