Coronavírus: saiba quais são as regras e direitos do confinamento (obrigatório ou compulsivo) na Madeira

O confinamento é fiscalizado por autoridade policial e de saúde pública.

Mário Cruz/Lusa

A Madeira decretou o confinamento obrigatório, e se necessário compulsivo, a todos aqueles que desembarquem na região, desde 23 de março. Fique a saber quais as regras que tem que cumprir, e respectivos direitos caso se encontre numa desta situações.

O despacho que define os procedimentos do confinamento obrigatório, na Madeira, trazem algumas excepções. Não ficam sujeitos a esta medidas os doentes em tratamento e pessoas sem residência no Porto Santo que desembarquem no Porto do Porto Santo (a não ser por razões profissionais).

Quem for sujeito a este confinamento obrigatório, por ter vindo do exterior para a Madeira, é encaminhado para estabelecimentos hoteleiros definidos pelo vice-presidente do Governo Regional e dos Assuntos Parlamentares, do secretário regional de Saúde e Proteção Civil e do secretário regional de Turismo e Cultura. Neste caso já existem duas unidades hoteleiras a funcionar para esse efeito. Uma na Madeira, localizado na Quinta do Lorde, no Caniçal, e outra unidade hoteleira no Porto Santo, a Vila Baleira.

Quais são os meus direitos se for sujeito(a) a confinamento obrigatório?

Nesta situação deve ser “informada, de forma clara, entendível e expressa” tanto da necessidade como dos motivos para o confinamento obrigatório, o período em que vigora essa medida, e do local.

Tem direito a receber tratamento e cuidados de saúde e de proteção; de requerer no estabelecimento onde ficar instalada a aquisição, a suas expensas, de terapêutica medicamentosa e dispositivos médicos; e também a aquisição
a suas expensas, de produtos de higiene pessoal.

Pode também pedir a suas expensas “outros produtos essenciais e de primeira necessidade” e pode também comunicar com o exterior através de meios tecnológicos e limitado ao funcionamento do estabelecimento onde esteja hospedado.

E se for alvo de confinamento compulsivo?

Nesta situação deve respeitar e dar integral cumprimento da situação em que se encontra; realizar quaisquer exames médicos, que se revelem “proporcionais e necessários” e que sejam determinadas pelas autoridades de cidadão.

Fica ainda sujeito a preencher inquéritos relativos à sua condição de saúde, à respetiva condição de domicílio,
caso se aplique, e, caso seja necessário indicar o motivo para ter viajado para a Madeira.

Tem também de declarar que está ciente, quando desembarco na Madeira, do Estado de Emergência e fica fica sujeito a quaisquer “responsabilidade de natureza penal” se não cumprir com as regras que estão estipuladas.

Quem é pode fiscalizar o cumprimento das regras do confinamento?

O despacho define que essa competência cabe a autoridade policial e de saúde pública.

Quem suporta as despesas derivadas do confinamento compulsivo?

É referido no decreto que essas despesas são suportadas pelo Governo Regional, através da Secretaria Regional de Saúde e Proteção Civil.

Até quando estão em vigor estas regras relativas ao confinamento?

Enquanto durar o Estado de Emergência.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/coronavirus-em-portugal/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”1182″ slug=”coronavirus-em-portugal” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/coronavirus-em-portugal/thumbnail?version=1585140065502&locale=pt-PT&publisher=www.jornaleconomico.sapo.pt” mce-placeholder=”1″]

Recomendadas

Funchal abre mais duas linhas de apoio para agentes e associações culturais

No final do mês de maio, a Autarquia abriu a linha de apoio “Ajuda a Trabalhadores da Cultura”, que completa este programa municipal, e que vai investir cerca de 475 mil euros na atribuição de apoios extraordinários às associações, entidades e profissionais da cultura do concelho afetados pela pandemia.

Negócio dos aparelhos auditivos milagrosos. Saiba como se pode proteger destas vendas

Os consumidores, na sua maioria cidadãos idosos, mais vulneráveis às estratégias de venda agressiva, e que apresentam algum défice auditivo, afirmam ter conhecimento da venda destes aparelhos através da publicidade e de contactos promocionais, pelo telefone ou à porta de casa, ou mesmo em estabelecimentos comerciais.

Madeira: Pescadores vão poder abastecer gasóleo no Porto Moniz

O tanque do gasóleo vai ter uma capacidade de armazenamento de 15 mil litros e o de gasolina cinco mil litros. Os armadores revelam que assim vão poder poupar tempo e dinheiro, evitando as deslocações ao Funchal ou ao Caniçal (postos habituais de abastecimento).
Comentários