Costa admite alargar serviços mínimos na greve dos motoristas de matérias perigosas

O líder do Executivo socialista disse, no debate quinzenal desta quarta-feira, que este é “um conflito entre entidades privadas e os motoristas” e que garantiu que 40% do abastecimento das áreas de Lisboa e Porto está assegurado.

Miguel A. Lopes/Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, admitiu esta quarta-feira a possibilidade de vir a alargar os serviços mínimos na greve dos motoristas de matérias perigosas. O líder do Executivo socialista disse que este é “um conflito entre entidades privadas e os motoristas” e que garantiu que 40% do abastecimento das áreas de Lisboa e Porto está assegurado.

“Perante notícias de que pode ser estendida esta área, o Governo está em contacto, quer com a Antram [Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias] quer com os sindicatos para alargar o que for necessário alargar de serviços mínimos para assegurar o abastecimento”, afirmou o primeiro-ministro, em resposta ao líder da bancada do PSD, Fernando Negrão, no debate quinzenal desta quinta-feira.

O líder do Governo afirmou ainda que este conflito se trata de “um conflito entre entidades privadas e os motoristas”. “O Estado decretou no passado dia 11 [de março] os serviços mínimos devido à falta de acordo entre ambas as partes. Esses serviços mínimos foram decretados de acordo com o âmbito que tinha sido solicitado pela Antram que era necessário decretar para a Grande Lisboa e o Grande Porto”, afirmou o primeiro-ministro.

António Costa diz ainda que, perante o incumprimento dos serviços mínimos decretou a requisição civil, tendo “assegurado os meios necessários para que a requisição civil seja assegurada”. O líder do Governo garantiu ainda que o abastecimento dos aeroportos está “inteiramente” assegurado, funcionamento das forças de segurança e de emergência está “perfeitamente assegurado” e que, “cumpridos os serviços mínimos, 40% do abastecimento em todo o sítio onde seja necessário garantir, será também assegurado”.

Os motoristas de matérias perigosas iniciaram a greve na segunda-feira, promovida pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP). Os motoristas exigem o reconhecimento desta categoria profissional específica e já impugnaram juridicamente os serviços mínimos decretados pelo Governo. A greve tem duração indeterminada e poderá colocar em risco o abastecimento de combustíveis.

O Governo aprovou esta terça-feira, por via eletrónica, uma resolução do Conselho de Ministros que reconhece a necessidade de proceder à requisição civil dos motoristas de matérias perigosas em situação de greve. O Executivo entende que a paralisação “afeta o abastecimento de combustíveis aos aeroportos, bombeiros e portos, bem como o abastecimento de combustíveis às empresas de transportes públicos e aos postos de abastecimento da grande Lisboa e do grande Porto”.

Ler mais
Relacionadas

Serviços mínimos abrangem 40% do abastecimento de combustíveis em Lisboa e Porto

Estão igualmente abrangidas 30% das operações no transporte de granel, brancos e gás embalado, assim como o transporte de cargas necessárias nas refinarias e parques, na CLT e na CLC, “nos casos em que a acumulação de stocks de produtos refinados imponha o funcionamento das unidades em regimes abaixo dos respetivos mínimos técnicos”.

Greve dos motoristas de materiais perigosos vai continuar. Só há acordo para serviços mínimos

A reunião acaba sem acordo, mas estão assegurados serviços mínimos de abastecimento de combustíveis. Hospitais, aeroportos, bombeiros, polícias com abastecimento a 100%. Apenas 40% das bombas em Lisboa e Porto vão ser abastecidas com 30% do volume habitual.

Combustíveis: Presidente do PSD ao lado do Governo na requisição civil

Em Coimbra, onde participou na tomada de posse do líder distrital, Rui Rio afirmou estar “inteiramente de acordo com a requisição civil naquilo que é absolutamente vital, nos serviços de saúde e de segurança”.
Recomendadas

OE2020: Docentes criticam subfinancioamento do ensino superior com verbas equivalentes a 2002

Os professores contestaram esta quarta-feira a opinião do ministro segundo a qual o Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) é o melhor dos últimos anos para o ensino superior, lembrando que a dotação prevista é semelhante à de 2002.

Centeno encontra o ‘Wally’ de Rio: É um “ajustamento feito em todos os países”

Rui Rio tem insistido na discrepância de 590 milhões de euros em dois quadros do Orçamento do Estado para 2020. Mário Centeno prometeu não voltar a falar da taxa de execução da Câmara do Porto durante a gestão do social-democrata e explicou as reservas e dotações orçamentais.

OE2020: MAI anuncia recrutamento de 10 mil efetivos para forças de segurança até 2023

O ministro da Administração Interna anunciou hoje no parlamento o recrutamento de cerca de 10 mil elementos para as forças e serviços de segurança até 2023 no âmbito do plano plurianual da admissão.
Comentários