Costa admite que Estado de Emergência ainda vai vigorar durante o período de natal

O primeiro-ministro disse que ficaria “muito surpreendido” se já não houvesse Estado de Emergência no natal. “Seria uma evolução absolutamente extraordinária da epidemia”, afirmou hoje.

António Costa | Cristina Bernardo

António Costa admitiu hoje, a pouco mais de um mês do natal, que o Estado de Emergência (EdE) ainda deverá vigorar por essa altura.

“Se me pergunta se no natal vai vigorar o Estado de Emergência, eu ficaria muito surpreendido se no natal não houvesse Estado de Emergência, seria uma evolução absolutamente extraordinária da epidemia”, disse hoje o primeiro-ministro no briefing do conselho de ministros onde anunciou mais medidas para o país que vão vigorar entre 24 de novembro e 8 de dezembro.

“Havendo esta preocupação de haver o maior equilibro possível entre o que é o esforço para conter a pandemia e o maior dano pessoal, social e económico com as medidas a dotar, que desejávamos que o conteúdo do EdE fosse menos intenso mas mais extenso na sua duração, e assim tem sido”, afirmou o governante.

“Em março fechámos tudo, agora temos fechado o mínimo possível, mas naturalmente que fechando o mínimo possível, o EdE vai levar mais tempo a produzir os seus efeitos”, acrescentou.

Relacionadas

Costa diz que a lei do Estado de Emergência permite ao PCP realizar o seu congresso

“Mesmo que o Governo quisesse, mesmo que a Assembleia da República quisesse, mesmo que o Presidente da República quisesse, nenhum de nos podia” proibir o congresso do PCP em Loures devido à lei em vigor, explicou hoje o primeiro-ministro.

Proibição de circulação e estabelecimentos encerrados a partir das 13 horas mantém-se ao fim de semana e é alargada aos feriados de dezembro

Esta restrição vai manter-se durante o próximo Estado de Emergência de 24 de novembro a 8 de dezembro para os concelhos de risco muito elevado no país que neste momento são 127.

Empresas vão poder pagar IVA e Segurança Social até seis prestações sem juros. Rendas da restauração e comércio vão ser apoiadas

Na próxima semana, vão também ser anunciadas medidas de apoio às rendas comerciais para garantir um apoio suplementar a todos os setores, particularmente da restauração e do comércio que estão a ser “fortemente atingidos por esta crise”, disse o primeiro-ministro. A possibilidade de pagamento em prestações refere-se ao IVA de novembro, e às contribuições para a Segurança Social referentes a novembro e dezembro.

30 de novembro e 7 de dezembro: escolas fechadas, função pública não trabalha e Governo pede a empresas para dispensarem trabalhadores

O primeiro-ministro também anunciou hoje que o país vai passar a estar divido em quatro escalas consoante o nível de novos casos que apresentar.
Recomendadas

Presidenciais: Mais de 80% dos inscritos para voto antecipado votaram no domingo

No total, estavam inscritos 246.880 eleitores para o voto antecipado que decorreu no domingo, uma semana antes das eleições para o Presidente da República.

Supermercados impedidos de vender livros, roupa ou brinquedos a partir de hoje

Este tipo de produtos pode ser vendido através de comércio eletrónico com entrega ao domicílio, ou pelos estabelecimentos que mantenham as portas fechadas, mas que vendam ao postigo ou através de sistemas tipo ‘click and collect’. A CIP já veio a público criticar esta decisão por considerar que “vem causar maiores danos económicos às empresas portuguesas”.

Candidaturas às linhas de apoio para empresas exportadoras da indústria e turismo e de montagem de eventos abrem hoje

Banco Português de Fomento abre esta segunda-feira as candidaturas para as novas linhas de crédito. A linha de apoio para as empresas exportadoras da indústria e do turismo tem uma dotação global de 1.050 milhões de euros, enquanto a linha de apoio às empresas de montagem de eventos tem uma dotação de 50 milhões de euros.
Comentários