Costa apela aos “valores da paz e da cooperação” no 75º aniversário de Hiroshima

Primeiro-ministro recordou ataques através do Twitter e referiu que este “é um momento para refletir sobre os valores da paz e da cooperação entre os povos e para assegurar que os primeiros bombardeamentos nucleares tenham sido os últimos”

António Pedro Santos/Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, apelou hoje à reflexão sobre os “valores da paz e da cooperação entre os povos”, no dia em que se assinalam 75 anos do bombardeamento nuclear de Hiroshima

“Há 75 anos, o mundo acordou para uma nova era com a devastação nuclear de #Hiroshima e, depois, #Nagasaki. É um momento para refletir sobre os valores da paz e da cooperação entre os povos e para assegurar que os primeiros bombardeamentos nucleares tenham sido os últimos”, escreveu António Costa na rede social Twitter.

Há precisamente 75 anos, em Hiroshima, às 08:15, hora local, era lançada a primeira bomba atómica em cenário de Guerra, pelo bombardeiro norte-americano Enola Gay. A bomba tinha o nome de código “Little Boy”, três metros de comprimento, 71 cm de largura e uma potência equivalente a 13 quilotoneladas de TNT, provocando a morte a 140.000 pessoas.

Três dias depois, os Estados Unidos lançaram, a 09 de agosto de 1945, uma segunda bomba atómica sobre Nagasaki, levando à capitulação do Japão e ao fim da Segunda Guerra Mundial.

Hiroshima assinalou hoje o 75.º aniversário do bombardeamento atómico da cidade japonesa, com o autarca da cidade a criticar o governo japonês por se recusar a assinar o tratado de proibição de armas nucleares.

O tratado foi aprovado na ONU a 07 de julho de 2017 por 122 estados membros, mas para que entre em vigor precisa de ser ratificado por pelo menos 50 nações, e até agora apenas 40 o fizeram.

Ler mais
Relacionadas

Hiroshima completa 75 anos em cerimónia limitada devido ao coronavírus

Durante a cerimónia o presidente da Câmara de Hiroshima, Kazumi Matsui lembrou que “a 6 de agosto de 1945, uma única bomba atómica destruiu a nossa cidade. Na época, corria o boato de que ‘nada cresceria aqui durante 75 anos’ ”

Destruição em Beirute faz lembrar “cenários de Hiroshima e Nagasaki”, garante primeiro-ministro libanês

O presidente libanês Michel Aoun garantiu que existiam 2.750 toneladas de nitrato de amónio armazenadas no porto de Beirute e prometeu que os responsáveis “vão pagar o preço”.
Recomendadas

Marcelo e Costa felicitam Durão Barroso pela nomeação para presidente da Aliança Global para as Vacinas

Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que Durão Barroso é “mais um Português num cargo internacional particularmente relevante no atual contexto de pandemia coronavírus” e António Costa refere a importância da nomeação “num momento em que esta organização, que Portugal apoia, deverá ter um papel relevante na disponibilização de vacinas”.

Conselho de Estado considera UE uma “mais-valia” para Portugal num contexto “tão complexo e difícil”

Em reunião com a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, os conselheiros do Estado defenderam o uso de todos os mecanismos para uma “recuperação sustentável e transformadora” e o reforço da participação cívica nas instituições europeias.

“É necessário alterar as atuais políticas agrícolas e comerciais”, diz João Ferreira na cimeira da ONU sobre biodiversidade

Para o candidato à Presidência da República, são precisas “medidas e mudanças concretas se o que queremos são resultados positivos também concretos, em vez de pias proclamações e da repetida constatação, cimeira após cimeira, do avanço da perda de biodiversidade”.
Comentários