Costa da Caparica: Encher praias de areia já custou 20 milhões

O enchimento das praias com sedimentos retirados de outros locais, para proteger a costa da erosão, é um trabalho contínuo, nunca acabado, e que custa anualmente milhões ao Estado, segundo especialistas consultados pela Lusa.

No relatório “Alimentação artificial de praias na faixa costeira de Portugal Continental”, coordenado por Celso Aleixo Pinto para a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e apresentado em janeiro de 2018, são identificadas 134 operações de alimentação de praias registadas em Portugal Continental entre 1950 e 2017.

“O somatório dos volumes depositados na faixa costeira entre 1950 e 2017 ascende a 33,7 milhões de metros cúbicos, com intervenções da ordem das dezenas de milhar (por exemplo, as praias encaixadas da Costa do Estoril) a mais de um milhão de metros cúbicos (por exemplo, o troço baixo e arenoso a sul da barra de Aveiro)”, revela o relatório, sublinhando que “o valor apresentado será subestimado, dada a impossibilidade de consulta de algumas bases de dados, ou mesmo a ausência de registos mais antigos, especialmente até à década de 1990”.

Segundo Óscar Ferreira, investigador da Universidade do Algarve, cada metro cúbico de areia para reposição custa entre seis a oito euros, pelo que estas intervenções custam anualmente muitos milhões de euros.

“Tem um custo significativo e não é uma solução definitiva, porque o mar continua sempre. É de uma teimosia imparável”, sublinhou, pelo seu lado, Filipe Duarte Santos, da Universidade de Lisboa.

Os dois especialistas concordam que, contudo, não há muito mais a fazer para proteger a costa.

Segundo o relatório, entre 1950 e 2017 foram alimentadas com sedimentos 95 praias (das 808 praias de Portugal continental), intervenções que tiveram mais expressão a partir da década de 1990.

As zonas de Espinho e a costa a Sul de Aveiro, a Figueira da Foz (Coimbra), a Costa da Caparica (Almada, Setúbal) e a zona da Quarteira, no Algarve, têm sido as mais intervencionadas.

“A maioria das praias foram alimentadas uma só vez”, devido a situações de emergência ou para fazer face a temporais, mas também existiram alguns locais com enchimentos periódicos e recorrentes, “alguns obedecendo a uma estratégia programada com vista à mitigação ou prevenção da erosão costeira”, como o caso dos enchimentos de Quarteira – Ancão (Algarve) ou das praias da Costa da Caparica.

Segundo o relatório, a alimentação artificial das praias da Caparica exigiram a deposição de 3,5 milhões de metros cúbicos de sedimentos de forma faseada – em 2007, 2008, 2009 e 2014 –, com um custo total de 19,9 milhões de euros.

Outro dos exemplos refere a alimentação artificial das praias de Cascais, em 2005, intervenção durante a qual 10 praias da Costa do Estoril receberam 108,5 mil metros cúbicos de areia provenientes da dragagem do canal da barra sul do Tejo, para aumento da largura da praia, para uso balnear.

A intervenção custou, segundo o mesmo relatório, 1,2 milhões de euros.

Já na praia D. Ana, em Lagos, em 2015, foram depositados 149 mil metros cúbicos de sedimento para melhoria das condições de estabilidade da linha de costa e o aumento da largura de praia para uso balnear, com um custo de 1,8 milhões de euros.

“Dois anos após a intervenção, além da redução da frequência de impacto da ondulação na base das arribas, verifica-se uma diminuição significativa do risco: a ocupação balnear passou a concentrar-se na área mais próxima do mar, em detrimento das áreas adjacentes à base da arriba”, é destacado no documento.

Ler mais
Recomendadas

António Costa diz que o país tem “uma grande dívida para com o interior”

O secretário-geral do PS, António Costa, assumiu esta quarta-feira que o país tem “uma grande dívida para com o interior” tendo em conta que é nesta zona que se produz um quarto da energia consumida em Portugal.
pardal_henriques_sindicato_nacional_dos_motoristas

Pedro Pardal Henriques deixa de ser porta-voz dos motoristas para entrar na política

“Candidato-me porque acredito que podemos voltar a recuperar os valores de Abril”, refere o advogado, que recusa estar a autopromover-se e garante que continuará a representar juridicamente o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas.

Justiça investigou gastos de 30 mil euros de porta-voz da Antram em 2013-2014

A queixa-crime apresentada ao Ministério Público baseava-se na discrepância de 30 mil euros entre as faturas apresentadas pelo tesoureiro e o dinheiro que efetivamente saiu da conta bancária da associação, durante o mandato de André Matias de Almeida.
Comentários