Costa diz que certificado de vacinação deve ser “homogéneo” e “aprovado tão rapidamente quanto possível”

O primeiro-ministro disse que “é essencial que asseguremos uma forma de que a liberdade de circulação dentro da União seja fluída”, depois da presidente da Comissão Europeia ter saudado a proposta do primeiro-ministro grego de um certificado de vacinação mutuamente reconhecido.

O primeiro-ministro, António Costa, exortou a uma homogeneidade de um certificado de vacinação a nível da União Europeia, apelando a uma rápida aprovação.

“O certificado de vacinação deveria ser homogéneo e aprovado tão rapidamente quanto possível”, disse esta sexta-feira em conferência de imprensa em Lisboa, após uma reunião com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

O chefe do Executivo português sublinhou que “é essencial que asseguremos uma forma de que a liberdade de circulação dentro da União seja fluída e que nenhum país tenha que fechar fronteiras”.

Recordando que existem países como Portugal e a Grécia para os quais a atividade turística é “fundamental”, realçou que é essencial “quando chegarmos ao próximo verão todos se sintam seguros para vir a Portugal e à Grécia”.

Questionada sobre a possibilidade de um certificado de vacinação mutuamente reconhecido a presidente da Comissão Europeia disse que “saúda a iniciativa do primeiro-ministro grego [Kyriakos Mitsotakis]”.

Já em entrevista à agência Lusa e outros meios de comunicação social portugueses em Bruxelas, a presidente da Comissão Europeia tinha transmitido a mesma posição depois do primeiro-ministro grego ter defendido que, ainda que não deseje tornar a vacina “obrigatória ou um pré-requisito para viajar”, este certificado permitiria que “as pessoas que já foram vacinadas possam viajar livremente”.

A presidente da Comissão Europeia e oito membros do Colégio de Comissários da União Europeia estão esta sexta-feira em Lisboa, no âmbito da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia. Os responsáveis de Bruxelas têm na agenda um conjunto de reuniões sobre o programa e as prioridades da presidência, que arrancou no dia 1 de janeiro e se prolonga até junho.

Além de Ursula von der Leyen, participam nestes encontros os vice-presidentes executivos Frans Timmermans, Margrethe Vestager e Valdis Dombrovskis, o alto representante e vice-presidente Josep Borrell Fontelles, os vice-presidentes Maroš Šefčovič e Margaritis Schinas e os comissários Nicolas Schmit e Elisa Ferreira.

A presidente da Comissão Europeia vai reunir ainda esta tarde por videoconferência com o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, tendo ainda um previsto uma reunião com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Ler mais
Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Autárquicas: CDS-PP diz que Carlos Moedas é “um nome forte” para lidar “coligação de centro-direita” em Lisboa

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, acredita que o ex-comissário europeu é “capaz de libertar os lisboetas do socialismo e oferecer à cidade uma mudança para o futuro”, impedindo uma nova vitória do PS nas eleições deste ano.

Primeiro-ministro: “É natural que o desconfinamento comece pelas escolas”

António Costa recordou esta sexta-feira Governo “resistiu” até à última hipótese ao encerramento das escolas por causa do entrave que implica no desenvolvimento e no processo de aprendizagem dos alunos.
Comentários