Costa garante que OE2022 é um “contributo forte” no investimento público e privado e mantém confiança na sua aprovação à esquerda

O primeiro-ministro, que se encontra reunido com o grupo parlamentar do PS, na Assembleia da República, garante que “ao contrário do que a direita sempre disse”, o Governo tem “dado coragem aos agentes económicos, às empresas para investir. Segundo Costa, este Orçamento do Estado “assume um objetivo muito ambicioso”, mas está “convicto de que há condições para o alcançar”.

António Costa considera que o Orçamento do Estado para 2022 representa um “contributo forte na aposta no investimento publico e  empresarial”, uma vez que irá reforçar as condições para o investimento público e privado.

Aos jornalistas, e na sequência da apresentação do documento ao grupo parlamentar do PS, na Assembleia da República, esta quinta-feira, o primeiro-ministro relembra que “vivemos este ano no primeiro semestre um novo máximo de investimento empresarial” e que por isso “é necessário continuar a incentivar esse investimento para que a economia possa continuar a crescer”, sobretudo para que se possa “continuar a gerar mais e melhor emprego”.

Uma das medidas previstas para o OE2022, visa um incentivo fiscal à recuperação que permite que os investimentos que se realizem durante a primeira metade de 2022, tenham um desconto na matéria coletável de 10% para todos os investimentos que estejam na média dos que foram realizados pelas empresas nos últimos três anos e de 25% para todos os investimentos que estejam acima da média de investimento do valor durante o mesmo período, sendo que o limite máximo será de cinco milhões de euros de dedução à coleta para cada empresa, explica o primeiro-ministro.

António Costa explica ainda que este “incentivo fiscal à recuperação” será “complementado com outro instrumento muito importante para que as empresas tenham capacidade de reforçar as suas condições de investimento”. Isto será feito através de um “fundo para capitalização e para a resiliência que tem um total de 1.300 milhões de euros e que visa aumentar a autonomia financeira das empresas e responder às necessidade de financiamento próprio”.

Ainda para as empresas, o OE2022 prevê um “reforço significativo das condições de liquidez”.

De acordo com António Costa, “seja pelo fim definitivo do pagamento especial por conta, seja pelo plano de apoio à tesouraria das PME quer, finalmente, seja através da criação de melhores condições de pagamento prestacional de dívidas ao fisco ou à Segurança Social” isto, porque “muitas empresas nesta fase da crise contrariam dívidas importantes”.

“Ao contrário do que a direita sempre disse”, continuou António Costa, “desde que começamos a virar a página da austeridade em 2016, não cortando os rendimentos mas sim aumentando os rendimentos que damos coragem aos agentes económicos, às empresas para investir, e condições às famílias para terem melhor qualidade de vida”, disse o primeiro-ministro, relembrando o aumento nas pensões e do salário mínimo nacional.

Recorde-se que o Orçamento do Estado para 2022 está em risco de chumbo depois de PCP e BE terem anunciado que irão votar contra a proposta do Governo se ela ficar como está. Aos deputados o líder do PS disse não ter “nenhuma razão para achar que este ano não acontece o mesmo que aconteceu nos anos anteriores” e que consiga aprovar o Orçamento com o apoio da esquerda parlamentar.

Segundo Costa, este Orçamento do Estado “assume um objetivo muito ambicioso”, mas está “convicto de que há condições para o alcançar”.

“Esse objetivo é, no final de 2022, ter não só recuperado o que perdemos em 2020 e 2021 e estar acima do que estávamos em 2019”, disse, sublinhando que Portugal “tem condições para alcançar esta meta”.

Notícia atualizada às 12h53 com mais declarações de António Costa

Recomendadas

UGT desiludida com chumbo que compromete medidas positivas para trabalhadores

O sindicalista considerou que a proposta de OE2022 “não era o OE desejável, era pouco ambicioso, mas continha alguns avanços importantes”, como o crescimento do salário mínimo até 2025 , o aumento das pensões, a melhoria da fiscalidade e algumas alterações à legislação laboral, nomeadamente a reposição do valor das horas extraordinárias e o aumento do valor das indemnizações por despedimento.

CGTP diz que chumbo do OE2022 deve-se a falta de vontade política do Governo

Para a CGTP a proposta do Governo não promovia o necessário crescimento dos salários e pensões, nem maior justiça fiscal, não acabava com a precariedade laboral, nem travava a destruição de postos de trabalho por grandes grupos empresariais, nem sequer promovia contratação coletiva.

Duodécimos limitam execução mensal até à entrada em vigor de novo orçamento

“Durante o período transitório em que se mantiver a prorrogação de vigência da lei do Orçamento do Estado respeitante ao ano anterior, a execução mensal dos programas em curso não pode exceder o duodécimo da despesa total da missão de base orgânica”, pode ler-se na lei de Enquadramento Orçamental atualmente em vigor.
Comentários