Costa insiste na urgência de fechar ratificações nacionais do fundo de recuperação

O primeiro-ministro saudou hoje a ratificação pela Eslováquia da decisão relativa aos recursos próprios da União Europeia e insistiu que é urgente concluir os procedimentos nacionais para se colocar em marcha o fundo de recuperação e resiliência.

“Saúdo a ratificação pela Eslováquia da decisão relativa ao sistema de Recursos Próprios da União Europeia. Renovo o meu apelo à ratificação pelos restantes Estados-membros. Urge pôr em marcha a recuperação económica e social”, escreveu António Costa na sua conta pessoal na rede social Twitter.

No mês passado, na sequência da última reunião do Conselho Europeu e numa altura em que se desconhecia qualquer questão constitucional com a Alemanha, o primeiro-ministro de Portugal, país que preside ao Conselho da União Europeia até junho, manifestou-se confiante que o processo de ratificação dos planos de Recuperação e Resiliência dos 27 Estados-membros terminará em meados de abril.

Na mesma conferência de imprensa, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, António Costa adiantou que gostaria de ter o programa português aprovado no final deste mês.

“Com bastante segurança, a minha convicção é a de que até meados de abril todos os Estados-membros terão concluído a sua ratificação”, declarou.

De acordo com o primeiro-ministro de Portugal, país que preside ao Conselho da União Europeia até junho, neste momento, dos 27 Estados-membros apenas quatro (Áustria, Polónia, Hungria e Holanda) não têm ainda um calendário definido para a ratificação nacional do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

“Há um objetivo comum a todos no sentido de concluir o processo até meados de abril. Ainda na semana passada, num esforço importante da presidência portuguesa, foi ultrapassado com o Parlamento Europeu um dos temas que bloqueava a ratificação pelos Estados bálticos”, disse.

No início deste mês, porém, o Tribunal Constitucional alemão proibiu o Presidente, Frank-Walter Steinmeier, de assinar a ratificação do fundo de recuperação.

A decisão foi conhecida um dia depois de o parlamento alemão, o Bundestag, ter aprovado a lei que permite o aumento dos recursos próprios do bloco europeu com vista à emissão de 750 mil milhões de euros de dívida comum que financiarão esta ajuda.Em causa está um recurso apresentado pelo grupo “Bündnis Bürgerwille”, em nome de 2.200 cidadãos, “animado” pela AfD, a questionar a sua constitucionalidade, argumentando que o plano viola os tratados europeus ao abrir a porta para empréstimos conjuntos pelos Estados membros.

O Tribunal Constitucional alemão tem até três meses para tomar uma decisão.

Ler mais

Recomendadas

Meses de Verão vão “mitigar os prejuízos” dos sector das viagens, mas recuperação vai demorar, alertam agências de viagens

Segundo o vice-presidente da ssociação de Sócios Gerentes das Agências de Viagens e Turismo “o Algarve continuará a ser a região de eleição e os turistas britânicos vão ter muito peso no aumento do turismo no país”.

Passageiros nos voos da TAP entre Portugal e o Reino Unido mais que duplicam

Em comunicado a TAP aponta que “a entrada de Portugal na “green list” de destinos de Inglaterra teve um impacto positivo na procura de voos entre o Reino Unido e Portugal.

Venda das barragens da EDP: Movimento exige a Finanças “arquivamento imediato” de inquérito a funcionário da AT

O Movimento Cultural da Terra de Miranda (MCTM) diz “não haver razões” que justifiquem “processo de inquérito” a membro do Movimento, ex-dirigente da AT, devido a nota jurídica sobre o impacto fiscal da venda das barragens da EDP no Rio Douro à Engie. Exige um pedido de desculpas ao MCTM e dá conta que documento foi elaborado  a pedido do Ministro do Ambiente, numa reunião que realizou com este Movimento, em 2 de setembro de 2020.
Comentários