Costa quer 170 mil fogos apoiados e redução das despesas familiares com habitação

No debate quinzenal no Parlamento, o primeiro-ministro frisou que quer reduzir a taxa de esforço das famílias com despesas de habitação de 35% para 27%.

O primeiro-ministro afirmou hoje que o Governo quer reduzir a taxa de esforço das famílias com despesas de habitação de 35% para 27% e aumentar o peso da habitação com apoio público a mais 170 mil fogos.

Estes objetivos foram transmitidos por António Costa na intervenção que abriu o debate quinzenal na Assembleia da República – um discurso cuja segunda parte foi dedicado ao tema da habitação.

Referindo-se aos principais objetivos dos diplomas hoje aprovados em Conselho de Ministros, o líder do executivo disse que pretende num prazo de oito anos aproximar Portugal das tendências europeias nesta área, alcançando, principalmente, “duas metas: Reduzir a taxa de esforço das famílias com as despesas de habitação de 35% para 27% e aumentar o peso da habitação com apoio público na globalidade do parque habitacional de 2% para 5%, o que representa um acréscimo de cerca de 170 mil fogos”.

Recomendadas

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

Manifesto X de Pedro Duarte quer índice de “Felicidade Interna Bruta” a medir desenvolvimento nacional

Medida conta na lista de 100 propostas apresentadas esta segunda-feira pelo social-democrata Pedro Duarte, crítico da liderança de Rui Rio, para a construção de uma sociedade “de bem-estar e felicidade”, mais justa, inclusiva e ecologicamente sustentável.

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.
Comentários