Cotadas portuguesas encerram sessão no vermelho e afundam PSI 20

O PSI20 encerrou a sessão desta quarta-feira a cair 1,65%, para 4.746,20 pontos. ‘Sinal vermelho’ estendeu-se às principais praças europeias.

Stringer/Reuters

O principal índice bolsista português, PSI 20, encerrou a sessão desta quarta-feira a cair 1,65%, para 4.746,20 pontos, seguindo a tendência vermelha europeia. Todas as principais cotadas portuguesas fecharam a sessão em terreno negativo.

A fazer tombar o PSI20 esteve principalmente o BCP, que caiu 4,12%, para 0,19 euros e a Pharol, que desceu 4,01%, para 0,12 euros.

A cair com grande impacto esteve também os CTT, 2,60%, para 1,79 euros e a petrolífera Galp, que desvalorizou 2,74%, para 12,61 euros naquele que é já o terceiro dia da greve dos motoristas de matérias perigosas. Num dia em que todas as cotadas fecharam a sessão no ‘vermelho’ destacam-se ainda a construtora Mota-Engil, que caiu  2,15%, para 1,77 euros e a EDP, que desceu 1,98%, para 3,31 euros.

Na Europa todas as cotadas encerraram a sessão de quinta-feira no ‘vermelho’. Na Alemanha, o DAX desceu 2,13%, no Reino Unido, o FTSE 100 caiu 1,41%, o francês CAC 40 desvalorizou 2,22%, o holandês AEX depreciou 1,96%. Em Espanha, o IBEX35 desceu 1,87% e o italiano FTSE MIB caiu 2,51%.

A cotação do barril de Brent caiu 4,49%, para 58,55 dólares, enquanto a cotação do crude WTI desceu 4,80%, para 54,36 dólares por barril.

No mercado cambial o euro desvaloriza 0,24%, para 1,11 dólares.

Ler mais

Recomendadas

Saudi Aramco cancela ‘roadshow’ internacional

Estava previsto que executivos da Saudi Aramco viajassem para cidades norte-americanas, asiáticas e europeias para reunirem com potenciais investidores, mas essas reuniões agora deverão ser circunscritas a investidores da Arábia Saudita, Emiratos Árabes Unidos, Bahrain e Omã.

Bolsa de Lisboa fecha em queda arrastada pelo papel e pela banca

Os mercados europeus fecharam em queda com as incertezas sobre o acordo da China com os Estados Unidos. A China está pessimista em alcançar um entendimento inicial com os Estados Unidos. Por cá, as quedas da Altri, Navigator e BCP fizeram mossa. Nem a subida da EDP e Jerónimo Martins compensou.

Angola vai aos mercados buscar até 3 mil milhões de dólares

Numa nota enviada aos clientes, e a que a Lusa teve acesso, o gabinete de estudos do Banco Fomento Angola diz que a equipa do Ministério das Finanças reuniu-se com vários investidores na semana passada em Nova Iorque, numa operação que será apoiada pelo Deutsche Bank, ICBC e Standard Chartered.
Comentários