Cotadas portuguesas encerram sessão no vermelho e afundam PSI 20

O PSI20 encerrou a sessão desta quarta-feira a cair 1,65%, para 4.746,20 pontos. ‘Sinal vermelho’ estendeu-se às principais praças europeias.

Stringer/Reuters

O principal índice bolsista português, PSI 20, encerrou a sessão desta quarta-feira a cair 1,65%, para 4.746,20 pontos, seguindo a tendência vermelha europeia. Todas as principais cotadas portuguesas fecharam a sessão em terreno negativo.

A fazer tombar o PSI20 esteve principalmente o BCP, que caiu 4,12%, para 0,19 euros e a Pharol, que desceu 4,01%, para 0,12 euros.

A cair com grande impacto esteve também os CTT, 2,60%, para 1,79 euros e a petrolífera Galp, que desvalorizou 2,74%, para 12,61 euros naquele que é já o terceiro dia da greve dos motoristas de matérias perigosas. Num dia em que todas as cotadas fecharam a sessão no ‘vermelho’ destacam-se ainda a construtora Mota-Engil, que caiu  2,15%, para 1,77 euros e a EDP, que desceu 1,98%, para 3,31 euros.

Na Europa todas as cotadas encerraram a sessão de quinta-feira no ‘vermelho’. Na Alemanha, o DAX desceu 2,13%, no Reino Unido, o FTSE 100 caiu 1,41%, o francês CAC 40 desvalorizou 2,22%, o holandês AEX depreciou 1,96%. Em Espanha, o IBEX35 desceu 1,87% e o italiano FTSE MIB caiu 2,51%.

A cotação do barril de Brent caiu 4,49%, para 58,55 dólares, enquanto a cotação do crude WTI desceu 4,80%, para 54,36 dólares por barril.

No mercado cambial o euro desvaloriza 0,24%, para 1,11 dólares.

Ler mais

Recomendadas

BCE estuda revisão do programa de compra de ativos de emergência

Dois membros do Conselho de Governadores adiantaram ao Financial Times que o banco central irá debater na próxima reunião a duração do PEPP e se os critérios de flexibilidade deverão ser estendidos aos outros programas de compra de ativos.

Bolsa de Lisboa em queda pressionada pelo BCP e Galp

Do lado dos ganhos, a Corticeira Amorim lidera com uma subida de 1,63% para 11,20 euros, seguidos pela EDP que ganha 0,59% para 4,24 euros.
joão_leão_tomada_posse_1

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Na semana em que será conhecido o défice orçamental do primeiro semestre, o Plano de Recuperação e Resiliência vai também estar em destaque, com audiências do primeiro-ministro aos partidos e ao Conselho Económico e Social sobre o tema, antes do debate no Parlamento. A centrar atenções estarão os dados da execução orçamental de agosto, mas também à votação da constituição da Comissão de Inquérito ao Novo Banco.
Comentários