COTEC Portugal debate “realidade aumentada na manutenção industrial

O webinar subordinado ao tema “Realidade Aumentada na Manutenção Industrial” contará com a apresentação de casos de estudo da utilização desta tecnologia na reparação de equipamentos industriais com diminuição dos custos de formação e aumento da produtividade dos técnicos.

A COTEC Portugal vai dinamizar, no próximo dia 2 de dezembro, pelas 14h30, o seminário “Realidade Aumentada na Manutenção Industrial”, enquadrado num formato de webinars transmitidos através de uma plataforma online e dedicados a explorar o potencial das tecnologias 4.0 e as suas aplicações.

O webinar subordinado ao tema “Realidade Aumentada na Manutenção Industrial” contará com a apresentação de casos de estudo da utilização desta tecnologia na reparação de equipamentos industriais com diminuição dos custos de formação e aumento da produtividade dos técnicos. Serão convidados Luís Murcho, da Glartek e Fernando Sousa, da Lusospace.

As inscrições estão abertas até 29 de novembro através deste formulário. A audiência é limitada e as inscrições serão consideradas por ordem de chegada. Após a inscrição, os participantes receberão o link de acesso à plataforma Webinar.

Recomendadas

Sem abertura do mercado, interesse de novas operadoras no leilão 5G é “muito reduzido”, alerta Concorrência

Em audição parlamentar, na Assembleia da República, a presidente da AdC, Margarida Matos Rosa, defendeu que 5G representa uma oportunidade e que a transposição do Código Europeu das Comunicações Eletrónicas deve ocorrer em breve “para poder abrir o mercado” e criar “dinâmica concorrencial” nas telecomunicações.

Procura de empréstimos pelas empresas “aumentou fortemente” no segundo trimestre

Conclusões do inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito indica que em termos de oferta os critérios de concessão de crédito a empresas e particulares tornaram-se mais restritivos face ao trimestre anterior.

A sua empresa de eletricidade não cumpre com prazos de resposta ou não chegou a tempo para resolver uma avaria? Pode exigir 20 euros de volta em alguns casos

Se as empresas de energia incumprirem no seu serviço, são obrigadas a pagar uma compensação aos consumidores. O regulador estabelece agora um prazo máximo para esta devolução porque em alguns casos as empresas não conseguiam contactar o consumidor. Empresas são obrigadas a devolver 20 euros aos consumidores se não responderem atempadamente aos consumidores ou se chegarem fora de horas para realizar uma reparação, como no caso da SU Eletricidade (ex-EDP Serviço Universal) ou no caso da EDP Distribuição. Nas empresas do mercado liberalizado, os valores variam e são contratualizados entre cliente e comercializador.
Comentários