Covid-19. CDS-PP quer saber como vai ser reduzido impacto económico-financeiro nos dentistas e estomatologistas

Os democratas-cristãos dizem que a suspensão da atividade destes profissionais é importante para reduzir o risco de contágio, mas sublinham que é preciso acautelar também o impacto económico e financeiro que irão sentir.

Ana Rita Bessa
Deputada do CDS-PP no Congresso de Aveiro

O CDS-PP quer saber que medidas estão a ser tomadas pelo Governo para reduzir o impacto económico-financeiro que a pandemia da Covid-19 está a causar aos profissionais de saúde das áreas da medicina dentária, estomatologia e odontologia. Os democratas-cristãos dizem que a suspensão da atividade destes profissionais é importante para reduzir o risco de contágio, mas sublinham que é preciso acautelar o impacto económico e financeiro que irão sentir.

Num conjunto de questões enviadas ao Ministério da Saúde, o CDS-PP questiona se o Governo já tem algum plano definido para apoiar os médicos dentistas, bem como os profissionais de estomatologia e odontologia. Querem ainda saber se as medidas que estão a ser pensadas vão “abranger todos estes profissionais, sejam eles trabalhadores independentes a recibos verdes, trabalhadores por conta de outrem ou sócios-gerentes de clínicas dentárias”.

Pela natureza das suas funções, que “implicam o contacto direto, próximo e demorado entre o profissional de saúde e o paciente”, o Governo determinou a “a suspensão de toda e qualquer atividade de medicina dentária, de estomatologia e de odontologia”. O decreto-lei prevê, no entanto, uma exceção para os casos em que estes profissionais tenham de lidar com “situações comprovadamente urgentes e inadiáveis”.

“Compreendemos e aplaudimos toda e qualquer medida que seja tomada para minimizar a propagação da Covid-19 e o risco de infeção da população. No entanto, entendemos que têm de ser acauteladas medidas que protejam também estes profissionais do ponto de vista financeiro, uma vez que neste momento a esmagadora maioria está impedida de trabalhar”, dizem os democratas-cristãos, numa nota introdutória ao conjunto de perguntas.

O grupo parlamentar do CDS-PP dá conta de relatos que indicam que as medidas de apoio aos trabalhadores “pouco ou nada protegem financeiramente os profissionais” deste setor e que há queixas por parte dos médicos dentistas, que não estão a conseguir “assegurar a aquisição de equipamentos individuais de proteção (EPI) para a prestação de serviços de urgência nos seus locais de trabalho”.

Tendo isso em conta, o CDS-PP pergunta ainda ao Governo sobre os equipamentos de proteção individual que existem e dos que estão já encomendados. “Quantos e quando tenciona o Governo distribuir a estes profissionais de saúde, para que possam socorrer as situações comprovadamente urgentes e inadiáveis, com toda a segurança para si, para as suas equipas e para os respetivos utentes?”, questiona o CDS-PP.

“O Grupo Parlamentar do CDS-PP, reconhecendo a urgência e extrema necessidade da imposição de medidas musculadas que minimizem ao máximo a propagação desta pandemia, entende que, não obstante, o Governo tem de assegurar que os impactos sociais e económico-financeiros destas medidas prejudicam o mínimo possível os vários profissionais que, por motivos de saúde pública, estão impedidos de exercer as suas profissões”, sustenta.

Ler mais
Recomendadas

Efacec vai para lay-off durante 30 dias a partir de 6 de abril

A empresa diz que o lay-off será aplicado “transversalmente a todos os níveis da organização”, tanto na modalidade de suspensão de contrato, como da redução temporária do horário de trabalho.

Só vão ser permitidas deslocações na área de residência permanente durante a Páscoa

O decreto do Governo que vai regular o novo período de Estado de Emergência nacional, até 17 de abril, prevê ainda que, nas deslocações de carro, são apenas permitas duas pessoas por veículo, exceto no caso das famílias.

Parlamento quer ouvir Miguel Frasquilho sobre lay-off da TAP a 14 de abril

Assembleia da República aprovou por unanimidade a proposta do Bloco de Esquerda para ouvir, “com carácter de urgência”, o presidente do Conselho de Administração da TAP sobre a situação atual da empresa e a política laboral e comercial.
Comentários