Covid-19: confirmada segunda morte em Itália

No país foram identificados mais de 30 casos de contaminação.

Já são duas as mortes confirmadas em Itália devido ao coronavírus Covid-19. No país foram identificados mais de 30 casos de contaminação até agora, dos quais 25 casos na Lombardia (região de Milão), anunciaram agências de notícias italianas.

Esta segunda vítima mortal, que estava hospitalizada há 10 dias, é uma mulher italiana residente na Lombardia, onde mais de uma dezena de localidades, com uma população estimada de 50.000 pessoas, estão em quarentena, decretada pelas autoridades, desde sexta-feira.

A primeira morte em Itália devido ao novo coronavírus foi um homem de 78 anos na região do Veneto, e tinha sido anunciada na sexta-feira à noite.

Desde que foi detetado no final do ano passado, na China, o coronavírus Covid-19 provocou mais de 2.345 mortos e infetou mais de 76 mil pessoas a nível mundial.

A maioria dos casos ocorreu na China, em particular na província de Hubei, no centro do país, a mais afetada pela epidemia.

Além das vítimas mortais no continente chinês, morreram cinco pessoas no Irão, três no Japão, duas na região chinesa de Hong Kong, duas na Coreia do Sul, uma nas Filipinas, uma em França, uma em Taiwan e duas em Itália.

As autoridades chinesas isolaram várias cidades da província de Hubei para tentar controlar a epidemia, medida que abrange cerca de 60 milhões de pessoas.

Ler mais
Recomendadas

PremiumGaliza e País Basco sem nada de novo na frente autonómica

A norte de Portugal, o PP deverá manter a maioria absoluta obtida em 2009. Bem mais longe, coligação entre nacionalistas e socialistas é para manter.

“Vai acontecer outra vez”, garante comité independente da OMS para avaliar pandemia

Após ter sido nomeada, a antiga primeira-ministra apontou que o mundo deve enfrentar as futuras crises económicas, sociais e políticas com os “pés assentes na terra”.

Pandemia deverá contrair economia do Japão ao ritmo mais rápido de várias décadas, estima Reuters

“Levaria dois ou três anos para a atividade económica regressar a níveis normais no Japão, enquanto os mercados internacionais devem continuar a sofrer com a propagação do vírus”, afirma o economista chefe do Instituto de Investigação Itochu, Atsushi Takeda.
Comentários