PremiumCovid-19: Maior peso da China aumenta complexidade

Vírus pode custar, apenas pelo impacto na economia chinesa, 1% ou mais do crescimento do PIB mundial.

O impacto a nível global apenas pelo impacto direto na economia chinesa do Covid-19 poderá chegar a cerca de 1% ou mais do PIB mundial, superior ao que foi sentido devido à Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAS). A estimativa é de Pedro Brinca, economista e professor da Nova SBE, que sublinha que nem a China é hoje o que era em 2003, marco da pandemia do SRAS, nem o Covid-19 tem as mesmas características.

“Para prever o impacto de uma pandemia, tipicamente olhamos para outras pandemias passadas para ter uma ideia do impacto do que pode suceder. Em 2002/2003, a pandemia do SARS também originou na mesma região do globo e custou entre 0,5 e 1% de crescimento no PIB da China. O impacto em termos dos mercados internacionais foi relativamente negligenciável”, explica ao Jornal Económico.

Pedro Brinca sustenta que a principal diferença reside no peso que o gigante asiático assumiu no Mundo. “A China desde 2003 quadruplicou o PIB. É hoje o maior exportador mundial e segundo maior importador. Para se ter ideia do peso que tem na atividade económica a nível mundial, em 2019 foi responsável por 39% do crescimento económico global. Isto mostra que o grau de exposição da comunidade internacional é hoje muitíssimo superior e o mesmo choque que aconteceu em 2003, se fosse hoje, teria repercussões muito mais profundas”, justifica.

O grau de integração das cadeias de valor é atualmente mais complexo. “Com o pico das medidas de contenção na China a observarem-se a meio de fevereiro, é de esperar que a repercussão maior ainda venha a ser sentida nas próximas duas semanas. Isto porque por uma questão de competitividade e controlo de custos, a maior parte das empresas têm hoje stocks para períodos relativamente curtos – entre três a quatro semanas”.

PedroBrinca realça que o facto de o Covid-19 poder ser transmitido quase a partir do momento em que é adquirido; de ter um longo período de incubação; e de ser quase assintomático nas faixas etárias mais jovens, “tornando-os agentes transmissores silenciosos da doença”, faz com que, apesar de a taxa de letalidade ser inferior à da SARS (cerca de 3,4% contra 10%), os impactos económicos sejam muito superiores.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Ler mais
Recomendadas

Despesa corrente em saúde aumentou em 2018 e 2019, diz o INE

De acordo com os resultados da Conta Satélite da Saúde do INE, na base 2016, o crescimento nominal da despesa corrente em saúde nesses anos foi superior ao do PIB mais 1,3 pontos percentuais (p.p.).

CP “empurra” para despedimento 120 trabalhadores dos bares dos comboios, acusa federação dos sindicatos

A Federação dos Sindicatos da Agricultura. Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo (FESAHT) alerta que os 120 trabalhadores dos bares dos comboios da CP estão em risco de “serem vítimas de um despedimento colectivo”. Tudo porque, diz FESAHT, a empresa mantém a recusa da reabertura do serviço de refeições dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades.

António Costa reúne-se hoje com homólogo holandês em Haia

O primeiro-ministro, António Costa, reúne-se hoje em Haia com o seu homólogo holandês, Mark Rutte, no quadro dos encontros bilaterais que tem mantido com outros líderes europeus antes do Conselho Europeu de sexta-feira e sábado em Bruxelas.
Comentários