“Covid-19 motivou crise alimentar”, aponta Mario Draghi

Segundo o primeiro-ministro italiano os países devem esforçar-se por assegurar a alimentação da população da mesma forma que agora se têm preocupado em arranjar vacinas.

“O mundo deve garantir o acesso aos alimentos com a mesma força com que se moveu para garantir o acesso às vacinas”, disse o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, na abertura da pré-cimeira dos Sistemas Alimentares das Nações Unidas em Roma, segundo a “Reuters”.

“A crise de saúde (Covid-19) levou a uma crise alimentar”, sublinhou Draghi, citando dados que mostram que a desnutrição em todas as suas formas se tornou a principal causa de problemas de saúde e morte no mundo.

A primeira cimeira de Sistemas Alimentares da ONU acontecerá em setembro, com o objetivo de promover avanços nas metas de desenvolvimento sustentável do órgão para 2030.

De acordo com os últimos dados da ONU, o sistema alimentar mundial é responsável por um terço das emissões globais de gases de efeito estufa, tornando-se uma das principais causas das mudanças climáticas.

A 12 de julho as Nações Unidas divulgaram um relatório que dava conta de que o ano de 2020 ficou marcado pelo “agravamento dramático” da fome, com quase um décimo da população mundial a sofrer de subnutrição. O relatório aponta que “entre 720 milhões e 811 milhões de pessoas no mundo foram vítimas do flagelo da fome em 2020”.

Recomendadas

ONU disponibiliza 38,5 milhões de euros para apoiar sistema de saúde no Afeganistão

A ONU vai disponibilizar 45 milhões de dólares (38,5 milhões de euros) em ajuda emergencial para apoiar o sistema de saúde no Afeganistão, disse esta quarta-feira Martin Griffiths, secretário-geral adjunto das Nações Unidas para Assuntos Humanitários.

Jovens entre 18 e 20 anos podem candidatar-se a 60 mil passes de interrail gratuitos

Os candidatos que ganhem um bilhete podem viajar durante 30 dias, entre março de 2022 e fevereiro de 2023, sendo que por ainda se desconhecer a evolução da pandemia, as reservas são flexíveis.

Bruxelas acusa Biden de “falta de lealdade e transparência” e exige explicações do pacto entre EUA, Austrália e Reino Unido

Charles Michel e von der Leyen consideram que existem “muitas perguntas por responder” depois de Joe Biden ter anunciado uma aliança entre a Austrália e o Reino Unido, tendo desfeito um acordo prévio entre a Austrália e a França sobre compra de submarinos. “Um dos nossos Estados-membros foi tratado de forma inaceitável, por isso queremos saber o que aconteceu e porquê”, frisou a presidente da Comissão Europeia.
Comentários