Credit Suisse apresenta lucro de 3,2 mil milhões de euros em 2019

Estes resultados representam também o fim de linha de Tidjane Thiam na liderança do Credit Suisse. Embora tenha o apoio do corpo acionistas, depois do polémico caso de espionagem a Iqbal Khan, Thiam vai sair para dar lugar a Thomas Gottstein.

Jeenah Moon/Bloomberg

Numa altura em que a cúpula do Credit Suisse vive um período controverso, após a alegada espionagem a Iqbal Khan, antigo responsável pela gestão de fortunas do banco, que originou a morte de um consultor da instituição – o atual presidente executivo, Tidjane Thiam, deixa o cargo na sexta-feira -, o banco de origem suíça reportou esta quinta-feira, 13 de fevereiro, um lucro líquido de 3,19 mil milhões de euros, um valor que corresponde a um aumento de 69% face aos 1,8 mil milhões de euros arrecadados em 2018.

As receitas ajustadas antes de aplicadas taxas foi de 4,7 mil milhões de euros, traduzindo-se num avanço de 18% face ao ano de 2018. Já, quanto a resultados operacionais, os custos operacionais ajustados cresceram 3% 2019, para 15,9 milhões de euros.

Estes resultados são suportados pelas receitas globais antes de taxas que ascenderam aos 833,3 milhões de euros, um valor muito acima dos 155,5 milhões de euros em 2018.

Estes resultados representam também o fim de linha de Tidjane Thiam na liderança do banco com sede em Zurique, Suíça. Embora tenha o apoio do corpo acionistas, depois do polémico caso de espionagem a Iqbal Khan, Thiam vai sair para dar lugar a Thomas Gottstein.

Recomendadas

Mais de 10 mil pessoas protegidas pelo seguro Covid-19 da Tranquilidade/Generali

O produto destina-se a empresas que pretendem proteger os trabalhadores, sobretudo as que continuam em atividade nos seus edifícios e o risco de infeção é superior. Lançado há 10 dias, foi desenvolvido em parceria com a AdvanceCare e garante um subsídio diário de 100 euros por cada dia de hospitalização por esta doença.

Chineses desistem de comprar o BNI Europa

O contexto de incerteza na economia global causada pela pandemia da Covid-19 levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. Negócio estava alinhavado desde dezembro de 2017.

Empresas vão receber 150 milhões de euros do Novo Banco nos próximos dias ao abrigo da linha capitalizar Covid-19

O banco liderado por António Ramalho referiu, em comunicado, que os primeiros 150 milhões de euros que serão concedidos às empresas que são clientes da instituição financeira já têm os respectivos processos “em fase final de assinatura digital”.
Comentários