Crédito Agrícola dá moratória nos créditos regulares até doze meses para particulares e empresas

Para os particulares, a medida abrange as operações de crédito à habitação, ao consumo e, para as empresas, inclui os créditos ao investimento e tesouraria.

O Crédito Agrícola anunciou esta quarta-feira moratórias até um ano para os créditos regulares dos particulares ou empresas, que têm de ter a situação regularizada com o banco liderado por Licínio Pina.

Em comunicado, o Crédito Agrícola disse que “criou um mecanismo de moratória para os créditos regulares para particulares e empresas que permite uma carência de capital ou prorrogação do termo do prazo de pagamento até 12 meses, cumulativos entre carência e prorrogação”.

No que diz respeito aos particulares, a medida abrange as prestações do crédito à habitação e consumo. Em relação às empresas, a medida aplica-se às prestações relativas a créditos ao investimento e tesouraria.

“O Crédito Agrícola ajustará estas condições às orientações ou decisões que vierem a ser tomadas pelas autoridades legislativas ou regulatórias, europeias ou nacionais”, frisou a instituição financeira.

Além disso, o Crédito Agrícola lançou uma linha de crédito para “todo o tipo de empresas nacionais” que estejam a atravessar por dificuldades de liquidez devido à crise da pandemia do novo coronavírus. Com esta linha de crédito, com um limite de financiamento máximo por empresa de até 100 mil euros, denominada de Linha de Crédito de Apoio Especial – Fundo Maneio, as empresas beneficiárias poderão pagar salários, cumprir encargos com a manutenção da atividade e proceder ao pagamento a fornecedores.

A instituição financeira liderada por Licínio Pina revelou ainda ter-se associado ao Estado e ao Sistema Nacional de Garantia Mútua na Linha de Crédito Capitalizar 2018 COVID-19 com um montante global de 200 milhões de euros e com um limite de financiamento de 1,5 milhões de euros por empresa e por linha específica.

O banco lançou também uma linha de crédito para os particulares. A Linha de Crédito de Apoio Especial Pessoas Singulares destina-se a apoiar as pessoas a fazerem face aos encargos, “seja por despesas de saúde, seja pela contingência de passar a ficar em casa, com as despesas acrescidas que daqui, naturalmente resultam e os rendimentos serem reduzidos”, concluiu o banco.

Ler mais
Relacionadas

EBA autoriza bancos a darem moratórias de crédito para responder à falta de liquidez causada pelo Covid-19

A EBA diz que “nas circunstâncias atuais as medidas que os governos e as instituições de crédito estão a propor para lidar com o impacto económico sistémico adverso da pandemia da Covid-19 não levam automaticamente a uma reclassificação como crédito reestruturado”, logo não afecta os rácios prudenciais dos bancos.
Recomendadas

Chineses desistem de comprar o BNI Europa

O contexto de incerteza na economia global causada pela pandemia da Covid-19 levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. Negócio estava alinhavado desde dezembro de 2017.

Empresas vão receber 150 milhões de euros do Novo Banco nos próximos dias ao abrigo da linha capitalizar Covid-19

O banco liderado por António Ramalho referiu, em comunicado, que os primeiros 150 milhões de euros que serão concedidos às empresas que são clientes da instituição financeira já têm os respectivos processos “em fase final de assinatura digital”.

Fidelidade vai manter serviço de esclarecimento jurídico após críticas de advogados

O Conselho Regional da Ordem dos Advogados disse que a oferta era ilícita, mas a companhia de seguros considera a posição precipitada e esclarece que se insere “no âmbito da cobertura de proteção jurídica disponibilizada por inúmeras seguradoras, em Portugal e no estrangeiro, a milhões de clientes”.
Comentários