Crescimento acima de 370%: Portugal com investimento de 400 milhões no setor hoteleiro

Este valor representa uma subida de 346% face a período homólogo. Em termos europeus o investimento imobiliário nesta área alcançou os 23 mil milhões de euros.

O investimento no mercado imobiliário no setor hoteleiro em Portugal registou um investimento de 400 milhões de euros nos 12 meses a contar até ao final do primeiro trimestre deste ano.

Este valor significa que o investimento neste setor quadruplicou face ao valor observado no período homólogo, segundo o estudo da consultora imobiliária CBRE, divulgado esta segunda-feira.

Este valor representa uma subida de 346%, colocando o mercado português entre aqueles que mais subiram no período em análise, juntamente com a República Checa (561%) e a Suíça (209%). A nível europeu, o investimento total neste atingiu os 23 mil milhões de euros durante o período referido.

O crescimento registado no Reino Unido no setor hoteleiro representou 35,5% do capital aplicado na região, nos últimos 12 meses, alcançando um total de 8,2 mil milhões, que se traduz num acréscimo de 15,1% face ao período homólogo.

A ‘vizinha’ Espanha continua a ser o segundo maior mercado europeu de investimento desde o terceiro quadrimestre de 2018 e nos últimos 12 meses o volume de negócios foi de 4,2 mil milhões, superando o ano anterior em 17,5%.

A Alemanha registou um crescimento de 3,9 mil milhões, mais 7,1% do que no ano anterior, o que representou 17% do total do investimento europeu.

Por sua vez, o investimento no setor hoteleiro em França registou um total de 1,3 mil milhões nos últimos 12 meses, representando uma quebra de 6% face ao período homólogo, mas ainda assim permitiu à França subir à quarta posição do mercado europeu.

Duarte Morais Santos, Diretor Associado da CBRE Hotels, refere que “após um ano recorde no investimento em hotéis em 2018, 2019 arrancou com excelentes resultados e deverá estabelecer um novo recorde histórico acima dos 500 milhões de euros, tornando-se numa das classes de ativos mais relevantes. A procura por investidores internacionais institucionais continua sólida, esperando-se o aumento da sua preponderância no contexto nacional nos próximos anos”.

Recomendadas

Luís Tavares Bravo: “Evergrande? Tem que se colocar em perspetiva o que é o perigo de contágio na China e a nível global”

É o segundo maior grupo imobiliário na China em termos de vendas, num país em que este setor tem um peso de 18% no PIB. Com dívidas superiores a 300 mil milhões de euros, que efeitos na economia poderá ter a eventual queda da Evergrande? Luís Tavares Bravo, economista e diretor de investment advisory do Bison Bank, analisa as prováveis consequências desta queda nesta “Fast Talk” da JE TV.

Evergrande: como o gigante chinês ameaça a economia global

É o segundo maior grupo imobiliário na China em termos de vendas. Emprega quase 200 mil trabalhadores mas movimenta cerca de 4 milhões de pessoas e 70 mil investidores. Estima-se que a empresa tenha dívidas superiores a 300 mil milhões de dólares, o que faz da Evergrande uma das empresas mais endividadas do mundo.

Fim das moratórias. Três formas de evitar o incumprimento

A partir de outubro deste ano ou no máximo em janeiro de 2022 muitas famílias vão recomeçar os pagamentos de crédito. Pedir ajuda ao banco ou rever as suas despesas são algumas das medidas que podem evitar o incumprimento.
Comentários