Crescimento da construção acelerou em janeiro, para máximos de três anos

Os índice de emprego e das remunerações efectivamente pagas também registaram variações homólogas positivas. O emprego cresceu 2,2% e as remunerações 2,9%.

O ritmo de crescimento homólogo do setor da construção acelerou 0,2 pontos percentuais em janeiro, face a dezembro, para 3%, com o índice de produção na construção a atingir o valor mais elevado em três anos, de acordo com os dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

A evolução verificada em janeiro é suportada pela aceleração do passo da expansão do segmento de “Construção de Edifícios” em 0,7 pontos percentuais, para 1,9%.

Pelo contrário, o ritmo de crescimento do segmento de “Engenharia Civil” abrandou 0,6 pontos percentuais, para 4,7%, mesmo assim, com o índice a superar o valor mais elevado – de janeiro de 2015 – indicado na série disponibilizada pelo INE.

 

Emprego e remunerações continuam a aumentar

O INE refere, também, que o índice de emprego no setor da construção apresentou uma variação homóloga de 2,2% pelo terceiro mês consecutivo.

Face ao mês anterior, o crescimento do índice de emprego acelerou 0,1 pontos percentuais, para 1,2%, para um valor que representa um máximo desde outubro de 2015.

O índice das remunerações efectivamente pagas registou uma variação homóloga de 2,9%, o que traduz uma aceleração de 1,3 pontos percentuais face ao verificado em dezembro.

Na evolução mensal, regista-se, por outro lado, uma diminuição de 17%, ainda assim um ponto percentual abaixo do ritmo verificado em igual mês de 2017.

 

Anúncios de empreitadas caíram em janeiro

Em janeiro passado, segundo a FEPICOP – Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas, e como o “Jornal Económico” noticiou, verificou-se uma quebra acentuada no montante dos anúncios de empreitadas de obras públicas que se traduziu numa descida de 58%, quando comparados com os números registados no período homólogo.

Para a FEPICOP, este registo veio confirmar a tendência de abrandamento que o mercado revela desde agosto de 2017.

Com a realização de eleições autárquicas no último trimestre de 2017, o crescimento do montante das obras públicas lançadas a concurso intensificou-se logo a partir de janeiro, atingindo um pico máximo em agosto desse ano, num aumento de 91% em termos homólogos, momento a partir do qual abrandou, tendo registado no final de dezembro uma subida de 62%.

Investimento na construção foi motor económico

O investimento na construção foi o principal fator para que a economia portuguesa tivesse registado no ano passado o mais rápido ritmo de crescimento desde 2000. Os dados divulgados pelo INE mostram que o investimento foi o principal contribuinte para a aceleração do crescimento económico e, dentro deste, o destaque vai para a construção, em que o ritmo de expansão foi multiplicado por seis.

O produto interno bruto (PIB) cresceu 2,7% no ano passado, tendo atingido, em termos nominais, os 193 mil milhões de euros. O investimento aumentou 8,4% em termos reais, bastante acima dos 0,8% de 2016. Atingiu os 31 mil milhões de euros no acumulado do ano, sendo que o segundo trimestre foi aquele em que se registou um investimento mais elevado (8 mil milhões de euros), em máximos desde o terceiro trimestre de 2011.

A subida no investimento reflete a aceleração da Formação Bruta em Capital Fixo (FBCF) para uma taxa de variação de 9% (em comparação com 1,5% em 2016). Do lado da componente da Variação de Existências, o contributo foi “ligeiramente negativo para a variação do PIB, à semelhança do verificado em 2016”, de acordo com o INE.

O investimento “em construção foi a componente que mais contribuiu para a evolução da FBCF total em 2017, registando um aumento de 9,2%, após ter diminuído 0,3% em 2016”, explica o relatório.

Quanto aos restantes segmentos, o investimento em maquinaria e equipamentos aumentou 13%, face aos 4,3% do ano anterior. No equipamento de transporte subiu 14,1%, contra os 8,4% em 2016, enquanto em produtos de propriedade intelectual cresceu 0,3%, após uma diminuição de 0,7%, no ano anterior.

Ler mais
Relacionadas

Teixeira Duarte garante obras de 115 milhões de euros em Portugal e no Brasil

As obras asseguradas pela construtora liderada por Pedro Maria Teixeira Duarte vão da ferrovia aos hospitais, passando pelos aeroportos.
Recomendadas

Web Summit: Empresas portuguesas que participaram em 2016 arrecadaram financiamentos de 60 milhões de euros

As ‘startup’ portuguesas que participaram na primeira edição da cimeira tecnológica Web Summit em Lisboa, há três anos, já arrecadaram quase 60 milhões de euros em financiamento após 41 rondas de investimento, informou a organização à agência Lusa.

Reaberta circulação ferroviária na Linha de Cascais

A circulação ferroviária na Linha de Cascais, que esteve interrompida por causa de um atropelamento ao início da manhã de hoje, foi retomada cerca das 08:30, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

Países do Mercosul aceleram entrada em vigor do acordo com União Europeia

Os países do Mercosul concordaram em entrar individualmente no acordo com a União Europeia à medida que o parlamento de cada Estado aprovar o texto, sem esperarem pela aprovação de todos as nações para oficializar a integração.
Comentários