Crescimento da zona euro desacelera para 0,1% no último trimestre de 2019

A economia alemã, italiana e finlandesa penalizaram a média dos países da moeda única. Já Portugal foi o quarto país com a maior expansão em cadeia, ao crescer 0,6%, num ranking liderado pela Roménia.

O crescimento da economia da zona euro desacelerou no último trimestre do ano passado, com uma expansão em termos reais de 0,1%, abaixo dos 0,3% registados no terceiro trimestre. Os dados divulgados pelo Eurostat, esta sexta-feira, revelam que a economia alemã, italiana e finlandesa penalizaram a média dos países da moeda única.

Portugal foi o quarto país com a maior expansão, ao crescer 0,6% em cadeia, num ranking liderado pela Roménia.

Em termos homólogos, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro aumentou 0,9%, enquanto a União Europeia a 27 cresceu 0,1% em cadeia e 1,2% em termos homólogos. Na comparação com o mesmo período de 2018 a Hungria lidera a tabela dos países com o maior crescimento, com Portugal a ocupar o quinto lugar dos países com o melhor desempenho.

Na totalidade do ano, o PIB da zona euro cresceu 1,2% em termos homólogos no ano passado, enquanto e 1,4% na média da União Europeia a 27.

Relacionadas

Economia cresceu 2% em 2019, acima da meta do Governo

Economia cresceu no ano passado abaixo dos 2,4% registados em 2018, mas uma décima acima do esperado pelo Governo e em linha com o projectado por Bruxelas. Menor consumo privado e desaceleração das exportações explicam a evolução.
Recomendadas

Exportações dos países lusófonos para a China sobem 0,06% em 2019

As exportações dos países de língua portuguesa para a China subiram 0,06% em 2019, em comparação com o ano anterior, de acordo com os Serviços da Alfândega chineses.

PremiumEstivadores avançam para greve total para durar até ao final de março

Sindicato dos Estivadores apresentou novo pré-aviso de greve, transformando a paralisação parcial em greve geral ao trabalho no porto da capital e prolongando o prazo até ao final do mês de março.

Ministério das Finanças manteve cativos 421,4 milhões de euros em 2019

Do montante de 421,4 milhões de euros de cativos registados em dezembro, “cerca de três quartos incidem essencialmente sobre despesas financiadas por receitas próprias, as quais dependem da respetiva arrecadação para se poderem concretizar, o que altera a natureza destes cativos”, lê-se no documento.
Comentários