Crescimentos da zona euro e Alemanha revistos em baixa, França e Itália mantêm ritmo

As previsões de outono do executivo comunitário retiram uma décima às expectativas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e duas décimas à previsão de crescimento em 2020.

Bruxelas reviu hoje em baixa as previsões de crescimento da economia da zona euro para 1,1% este ano e 1,2% em 2020, piorando também as projeções para a Alemanha e mantendo as estimativas para França e Itália.

No que se refere aos países do euro, na comparação com as anteriores projeções macroeconómicas de verão, publicadas em julho, as previsões de outono do executivo comunitário retiram uma décima às expectativas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) este ano (há quatro meses previa uma expansão de 1,2%) e duas décimas à previsão de crescimento em 2020 (antecipava antes 1,4%). A Comissão espera que o ritmo de crescimento se mantenha em 1,2% também em 2021.

O executivo comunitário reviu também em baixa as previsões para economia alemã, a maior da zona euro, apontando para um crescimento de 0,4% em 2019, face aos 0,5% estimados em julho, e para 1,0% em 2020, face à anterior estimativa de 1,4%. Em 2021, o ritmo de crescimento do PIB alemão deverá permanecer nos 1,0%.

Já a economia francesa manterá um ritmo de crescimento de 1,3% no ano corrente. O PIB de França deverá crescer 1,3% em 2019 (sem alterações face às duas estimativas anteriores) e em 2020, tendo a estimativa para o próximo ano sido revista em baixa pela segunda vez, depois de ter sido apontado um crescimento económico de 1,5%, na primavera, e de 1,4%, no verão.

Para 2021, Bruxelas antecipa um novo abrandamento da economia francesa, para 1,2%.

As previsões de hoje alertam para um défice de 3,1% nas contas públicas de França, acima do limite de 3% imposto pelas regras europeias do pacto de estabilidade.

Por seu lado, a Itália deverá manter o seu ritmo de crescimento de 0,1% este ano, antecipando-se um arrefecimento para 2020, de 0,7% para 0,4%, alertando Bruxelas para um aumento do défice e da dívida nos próximos anos. Em 2021, a economia italiana deverá crescer 0,7%.

Para a economia irlandesa está previsto um crescimento de 5,6% este ano, que se modera para 3,5% em 2020 e 3,2% em 2021

A economia grega, por seu turno, deve crescer 1,8% este ano e acelerar para 2,3% em 2020, e manter-se resiliente face ao ambiente externo mais enfraquecido.

Ler mais

Relacionadas

Bruxelas melhora previsões sobre Portugal: défice fica em 0,1% e economia cresce 2% este ano

Comissão Europeia divulgou hoje previsões económicas e indica que o crescimento no primeiro semestre “superou as expectativas”. Mas projeção de desaceleração do PIB no próximo ano mantém-se.

Moscovici: equilíbrio orçamental em Portugal é “muito boa notícia”

Comissário europeu enaltece consolidação orçamental em Portugal e na Grécia, mas mostra preocupação com situação económica da zona euro, onde o crescimento moderado está para ficar.

“Previsões de Bruxelas são boas notícias para a economia portuguesa”, refere Mário Centeno

O ministro das Finanças português salienta que a “economia portuguesa tem vindo a mostrar muita resiliência e resistência a um conjunto de pressões externas que se têm colocado a todos os países, em particular aqueles com economias mais abertas”.
Recomendadas

Presidente alerta que plano de estabilização é “almofada” e não “milagre”

O presidente da República diz a situação do país “é brutal” e que “será um processo difícil” até se conseguir uma recuperação económica e social.

PremiumGoverno apresenta receitas para a retoma no pós-Covid-19

Alterações ao regime de ‘lay-off’, redução ou isenção do pagamento por conta e nova extensão de moratórias estão entre as principais medida do documento aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros.

Credores privados dizem que cobrar juros é essencial para manter ‘ratings’ 

Em causa está a assunção por parte de algumas agências de ‘rating’, como por exemplo a Moody’s, de que se os credores receberem menos do que o inicialmente contratualizado, isso configura um incumprimento financeiro, independentemente das razões e mesmo com o acordo dos credores.
Comentários