Criação de empresas em Portugal diminui 23,6% em 2020

Em 2020 foram criadas 37.589 novas empresas, menos 11.604 que no período homólogo de 2019, o que traduz um decréscimo de 23,6%. Ainda assim, o número de insolvências foi inferior a 2019, registando-se uma diminuição de 1,4%, destaca a Iberinform.

As consequências económicas da pandemia de Covid-19 fizeram-se sentir por todos os sectores e a diminuição do número de empresas criadas é um espelho disso mesmo. Em 2020, nasceram 37.589 novas empresas em Portugal, o que representa uma diminuição de 23,6% face ao número registado em 2019 (49.193).

Em 2020 foram criadas 37.589 novas empresas, menos 11.604 que no período homólogo de 2019, o que traduz um decréscimo de 23,6%. O número mais significativo de novas constituições verifica-se em Lisboa, com 11.912 novas empresas, e no Porto, com 6.681 constituições. Contudo, estes valores traduzem decréscimos acentuados face a 2019, de 28,6% em Lisboa e de 25,5% no Porto, segundo destaca esta segunda-feira a Crédito y Caución.

A maioria dos distritos apresentam descidas neste indicador sendo as mais pronunciadas nos distritos de Setúbal (-30,5%), Angra do Heroísmo (-27,7%), Ponta Delgada (-27,1%), Faro (-26,3%), Madeira (-23%), Aveiro (-21,3%), Leiria (-19,9%), Viana do Castelo (- 19,4%), Coimbra (-18,1%), Vila Real (-15,9%), Horta (-15,8%), Braga (-15,1%), Santarém (- 15,1%), Guarda (-14,5%), Viseu (-7,6%), Beja (-6,6%), Évora (-5,8%), Bragança (-4,7%) e Castelo Branco (-0,6%). O único aumento surge no distrito de Portalegre com 310 novas empresas, mais dez que em 2019 (aumento de 6,9%).

As variações mais acentuadas acontecem nos sectores dos Transportes (-55,5%), Hotelaria e Restauração (-29,3%), Eletricidade, Gás, Água (-25,4%), Indústria Extrativa (-25%), Construções e Obras Públicas (-22,6%), Outros Serviços (-21,6%), Comércio de Veículos (-20,5%), Comércio por Grosso (-19%), Indústria Transformadora (-16,6%), Comércio a Retalho (-8,5%), Agricultura, Caça e Pesca (-7,4%) e Telecomunicações (-7,2%).

Insolvências diminuem face a 2019

De acordo com os dados da Iberiform para Portugal, no campo das insolvências, 2020 fechou com um decréscimo de 1,4% face a 2019 que poderá ser explicado pelo impacto favorável das medidas de apoio estatal às empresas que travaram, para já, um incremento significativo neste indicador, segundo os dados recolhidos pela Iberiform, filial do grupo segurador. O ano terminou com um total de cinco mil insolvências, menos 71 que em 2019. O valor apurado em 2020 é substancialmente inferior aos números apurados no fecho de 2018 (-15,1%) e de 2017 (-20,4%).

Porto e Lisboa continuam a ser os distritos com o total de insolvências mais elevado, 1.285 e 1.015 respetivamente. Face a 2019, verifica-se uma diminuição de 2,6% em Lisboa e um aumento de 4,6% no Porto.

Dez distritos terminaram o ano passado com decréscimos nas insolvências: Coimbra (-27,7%), Guarda (-19,6%), Viseu (-13,9%), Aveiro (-13,7%), Portalegre (-12,1%), Braga (-7,7%), Santarém (-6,7%), Setúbal (-4,1%), Ponta Delgada (-2,6%) e, como já referido, o distrito de Lisboa (-2,6%).

Os aumentos nas insolvências registam-se em doze distritos: Horta (33,3%), Castelo Branco (26,3%), Vila Real (23.3%), Faro (18,6%), Viana do Castelo (17,3%), Madeira (17,1%), Évora (15%), Bragança (10,8%), Beja (6,7%), Angra do Heroísmo (5,6%), Porto (4,6%) e, por último, Leiria (1%).

Os aumentos nas insolvências foram registados nas áreas de Telecomunicações (33,3%), Hotelaria e Restauração (17,6%) e Outros Serviços (4%). A Indústria Extrativa e o sector dos Transportes tiveram uma variação nula face a 2019, enquanto
os restantes apresentam decréscimos, com as descidas mais acentuadas a verificarem-se em: Eletricidade, Gás, Água (-7,1%), Indústria Transformadora (-7%), Comércio a Retalho (-5,3%), Construções e Obras Públicas (-4,9%), Comércio de Veículos (-2,9%), Agricultura, Caça e Pesca (-2,2%) e Comércio por Grosso (-1,8%).

Ler mais

Recomendadas

Pandemia levou a tombo de 14,8% na atividade económica regional entre março e novembro de 2020

Dados do INE, revelados esta sexta-feira, revelaram que no conjunto das regiões portuguesas, a atividade económica tombaram significativamente. Algarve Madeira e Área Metropolitana de Lisbao viram a atividade económica cair mais do que a média nacional. Maiores tombos verificaram-se em atividades de alojamento e atividades artísticas, desportivas e recreativas.

Barómetro ACEGE: Apoios à TAP e empresas afetadas pela pandemia preocupam empresários

Respostas dos empresários e gestores associados do barómetro de janeiro da ACEGE, numa parceria com o Jornal Económico, a Rádio Renascença e a Netsonda, revelam preocupação com efeitos da Covid-19. Mas também sinais de otimismo quanto à evolução das suas empresas e à manutenção dos postos de trabalho.

Exportações de bens da zona euro cresceram para 197 mil milhões de euros em novembro

A zona euro registou um excedente de 25,8 mil milhões de euros em novembro de 2020 no comércio de bens com o resto do mundo. Exportações de bens começam a dar sinais de “um retorno aos níveis pré-Covid”.
Comentários