CTT estabelece parcerias para o lançamento de novas aplicações móveis

A aplicação móvel CTT vai possibilitar a qualquer utilizador a consulta de mapas para localizar as lojas e postos CTT, pesquisar códigos postais, acompanhar encomendas postais, e solicitar pedidos ‘SIGA’ para reencaminhar o correio. Além disso este serviço permite também consultar os valores em dívida relativos a portagens SCUT e obter referências multibanco para proceder ao seu pagamento.

Rafael Marchante/Reuters

Os CTT vão passar a ter três novas aplicações móveis disponíveis para os seus clientes. Em comunicado, a empresa de correios portuguesa revela que estabeleceu uma parceria com a OutSystems, empresa de desenvolvimento e oferta de plataformas low-code que permitem um rápido desenvolvimento de aplicações empresariais, esteve na base dos três serviços, que foram desenvolvidos pela “Askblue”, uma consultora vocacionada para o desenvolvimento de projetos e com fortes competências em tecnologias de informação.

A aplicação móvel CTT vai possibilitar a qualquer utilizador a consulta de mapas para localizar as lojas e postos CTT, pesquisar códigos postais, acompanhar encomendas postais, e solicitar pedidos ‘SIGA’ para reencaminhar o correio. Além disso este serviço permite também consultar os valores em dívida relativos a portagens SCUT e obter referências multibanco para proceder ao seu pagamento.

Com o CTT E-Segue os clientes vão poder seguir, alterar e enviar encomendas a partir de um smartphone ou tablet. Estes envios podem ser solicitados em qualquer hora e lugar, com o pagamento a ser feito na aplicação. Por fim, a Via CTT  permitirá receber o correio em formato digital e pode ser consultada a partir do smartphone.

Pedro Gomes, Diretor de Sistemas e Informação dos CTT, refere que “enquanto empresa líder no mercado das comunicações físicas em Portugal, a transformação digital era obrigatória para continuarmos a prestar a melhor experiência aos nossos clientes. A adoção da plataforma OutSystems e a parceria com a Askblue têm sido apoios fundamentais nessa viagem digital dos CTT”.

 

Relacionadas

Jefferies avisa que metas dos CTT são “desafiantes” e corta preço-alvo em 12%

A pressão sobre os volumes no correio tradicional e os aumentos nos custos do trabalho e dos transportes tornam a meta de manter um EBITDA estável este ano mais difícil, segundo o banco de investimento, que cortou o preço-alvo para 3 euros por ação de 3,35 euros. O título cai tomba 3,39% para 2,904 euros esta segunda-feira.

CTT arrastam bolsa de Lisboa para o ‘vermelho’. DAX alemão teme crise política

O PSI 20, cai 0,73%, para 5.488,29 pontos, seguindo a tendência na Europo. Os CTT – Correios de Portugal lideram as perdas, com um tombo de 3,53%, para 2,90 euros.

CTT interessados em distribuir a Amazon em Portugal

A distribuidora está a alterar a sua postura de mercado face à evidência da digitalização da sociedade: em dez anos, o número de cartas distribuídas em Portugal passou de 1,3 mil milhões para 600 milhões.

BlackRock passa a deter participação qualificada nos CTT

Na nota enviada ao regulador dos mercados, os CTT referem que o limiar dos 2% a partir do qual é alcançada uma participação qualificada foi superado ontem dia 25 de junho.
Recomendadas

Segurança Social vai pagar 10,4 milhões de euros aos CTT por serviços postais até 2023

Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social foi autorizado pelo Governo a celebrar um contrato com os CTT para serviços postais, visando o pagamento de prestações familiares, diferidas e sociais, durante três anos. Organismo vai agora iniciar diligências para fechar contrato com CTT.

Vendas do dono do Minipreço cresceram 6,3% no segundo trimestre de 2020

As vendas comparáveis (‘like-for-like’) do grupo de distribuição que opera em Portugal, Espanha, Brasil e Argentina registou um aumento de 14,9% no período em análise face ao segundo trimestre de 2019, “com todos os mercados positivos pela primeira vez desde o 4º trimestre de 2016”.

Lucro da Deutsche Post DHL cresce 15% para 525 milhões de euros no segundo trimestre de 2020

A receita da DHL ascendeu aos 15,96 mil milhões de euros, o que representa um crescimento de 3,1% face a igual período de 2019. Já o lucro operacional melhorou 18,6%, para 912 milhões de euros, entre abril e junho.
Comentários