Cunhado do rei de Espanha apresenta-se na prisão para cumprir pena

O marido da Infanta Cristina tinha sido condenado pelo Supremo Tribunal a cinco anos e dez meses de prisão por desvio de fundos, na sequência de uma investigação ao caso Noós.

O cunhado do rei de Espanha, Iñaki Urdangarin, ingressou hoje de manhã na prisão de Brieva, informou fonte dos serviços prisionais espanhóis às agências de notícias EFE e France-Presse.

O marido da Infanta Cristina tinha sido condenado pelo Supremo Tribunal a cinco anos e dez meses de prisão por desvio de fundos, na sequência de uma investigação ao caso Noós. A prisão de Brieva fica localizada a 108 quilómetros a norte de Madrid.

Segundo a justiça espanhola, o marido da infanta Cristina, irmã de Felipe VI, utilizou as suas ligações à família real para ganhar concursos públicos para organizar, entre outros, eventos desportivos, tendo em seguida desviado fundos para a Aizoon, uma empresa que geria em conjunto com esposa e utilizava para financiar o seu estilo de vida luxuoso.

A Casa Real espanhola reafirmou na terça-feira o seu “respeito absoluto pela independência do poder judicial”, depois de ter tomado conhecimento da decisão do Supremo Tribunal.

Desde o início do reinado de Felipe VI que a Casa Real tem manifestando o seu respeito pela independência dos tribunais em todas as fases do processo judicial Nóos.

O Supremo Tribunal espanhol também reduziu a quantia que a magistratura de Palma de Maiorca tinha imposto à infanta Cristina, pela sua responsabilidade civil a título lucrativo no caso Nóos, de 265.088 euros para 136.950 euros.

Inaki Urdangarin tinha sido inicialmente condenado a seis anos e três meses de prisão e ao pagamento de uma multa de 512.553 euros por enriquecimento com dinheiros públicos através de um esquema fraudulento feito pelo Instituto Nóos, que fundou e dirigiu entre 2004 e 2006.

A decisão do juiz foi conhecida 11 anos depois do início do caso, quando um deputado socialista pediu explicações pelos custos elevados de um fórum sobre turismo e desporto organizado por Iñaki Urdangarin para o Governo Regional das Ilhas Baleares.

Ler mais
Relacionadas

Casos de corrupção expõem autoridades de Espanha e Portugal

A condenação de José Sócrates e de Iñaki Urdangarin merecem destaque da imprensa brasileira este sábado.

Supremo espanhol baixou pena de Iñaki Urdangarin para 5 anos e 10 meses de cadeia

O Supremo Tribunal espanhol baixou para cinco anos e 10 meses a pena a que Iñaki Urdangarin tinha sido condenado e impôs uma condenação por peculato, invasão, fraude à administração e crimes fiscais que obrigam a cumprir pena de cadeia.
Recomendadas

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Relação agrava pena de subcomissário que agrediu adeptos do Benfica em Guimarães

O Tribunal da Relação de Guimarães agravou para três anos e meio a pena de prisão, suspensa na sua execução, de um subcomissário da PSP por agressão a dois adeptos do Benfica naquela cidade, em maio de 2015.

Ministério Público abre inquérito a circunstâncias da morte de Ruben de Carvalho

O Ministério Público abriu um inquérito para apurar eventual negligência hospitalar no internamento do histórico dirigente do PCP Ruben de Carvalho, que morreu na terça-feira em Lisboa com 74 anos, confirmou à Lusa a Procuradoria-Geral da República.
Comentários