PremiumDBRS: banca de investimento salvará receitas dos bancos

O semestre foi de queda de receitas e de aumento de imparidades. BCP e Santander Totta constituíram 210 milhões em imparidades Covid. A DBRS diz que rentabilidade virá da banca de investimento.

A agência de notação financeira, DBRS Morningstar, alerta que este e o próximo ano serão um desafio para o setor bancário europeu. “Continuará a haver tendências para elevadas provisões para perdas esperadas no crédito, para uma rentabilidade enfraquecida na maioria dos bancos, lucros potencialmente mais fortes na banca de investimento e elevados custos extraordinários, como a desvalorização do goodwill do Santander [Espanha]”, disse ao Jornal Económico Elisabeth Rudman, Head of European Financial Institutions, da DBRS.

No 1º semestre o BCP e o Santander Totta, os dois grandes bancos que já apresentaram as contas, confirmam uma pressão nas receitas, sem perspectiva de inversão da tendência até ao fim do ano. O produto bancário do Santander Portugal caiu 6,3% face a junho do ano passado para 660 milhões. Muito à custa da quebra de 6,8% da margem financeira (receita proveniente da diferença entre juros de crédito e de depósitos), para 401,1 milhões de euros.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Cerberus oferece 1 euro para comprar subsidiária francesa do HSBC

A Cerberus e outro investidor estão interessados no HSBC França mas querem que a casa-mãe capitalize em mais de 500 milhões de euros a subsidiária francesa.

OCDE pede mais esforço de governos e reguladores para a promoção da finança ESG

Os princípios de sustentabilidade ambiental, social e de governança (ESG) têm sido cada vez mais procurados pelos investidores como garantia da aplicação de qualidade de capital que investem, mas a OCDE pede mais transparência e uniformidade nas avaliações desta natureza

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.
Comentários