DBRS: Brexit pode vir a ser novamente adiado ou até mesmo cancelado

A agência de notação financeira canadiana prevê que a economia de terras de Sua Majestade continue a crescer, mas a um ritmo mais lento.

A DBRS considera que a extensão da data do Brexit para depois das eleições europeias mostra as “profundas divisões” existentes no interior de cada um dos principais partidos políticos do Reino Unido. Para a agência de notação financeira canadiana, esse adiamento trará à tona, gradualmente, implicações económicas e financeiras.

Em termos políticos, os analistas antecipam que, na ausência da improvável ‘luz verde’ do acordo de saída de Theresa May ou da aprovação de uma alternativa partidária cruzada, o Reino Unido vá mesmo a eleições para o Parlamento Europeu a 23 de maio. Se isso acontecer, a DBRS acredita que haja um novo adiamento além do 31 de outubro. A extensão e as eleições europeias também aumentam as perspetivas de o Brexit não acontecer”, diz.

A DBRS prevê que a economia de terras de Sua Majestade continue a crescer, mas a um ritmo mais lento, em linha com a maioria das projeções económicas. Contudo, lembra que a incerteza continuará a pesar no PIB Reino Unido, nomeadamente porque várias decisões de investimento são adiadas e há negócios que são transferidos para outros países da Europa.

“Um eventual acordo sobre se o Reino Unido permanece ou sai da União Europeia, e o tipo de relação futura com que sai, pode muito bem levar uma década até ser concluído. O caminho a seguir não é claro”, referem os analistas, num documento divulgado esta terça-feira. A análise dá ainda o exemplo do ‘Centre for European Reform’, que estima um custo deste divórcio em 2,3% do PIB (desde junho de 2016 até ao quarto trimestre de 2018) – custos da desaceleração que, para esta agência de rating, ainda continuam “manobráveis”.

Ainda assim, a DBRS manteve rating de crédito do Reino Unido em AAA, com tendência estável, apesar dos impasses políticos e económicos desde o referendo de 2016, porque acha que a economia e as instituições britânicas são “resilientes o suficiente” para suportar quaisquer cenários de saída sem que o perfil de crédito seja prejudicado.

“Aquelas entidades que, por motivos regulamentares ou empresariais, necessitam de localizações na União Europeia já implementaram em grande parte planos de reposicionamento, ou pelo menos, estratégias descritas. As empresas que continuam a ver o Reino Unido como um local competitivo, provavelmente, já tomaram a decisão de permanecer, supondo que sejam capazes de o fazer”, explica a DBRS.

Ler mais
Relacionadas

Despedimentos nos bancos aumentam 30% devido ao Brexit

A empresa britânica de tecnologia Talent Ticker mediu o impacto da saída do Reino Unido da União Europeia nos trabalhadores dos serviços financeiros e concluiu que houve mais 30% de bancos a cortar postos de trabalho.

Brexit: Campanha portuguesa “Brelcome” já chegou à imprensa internacional

A campanha do Turismo de Portugal garante aos cidadãos britânicos que continuam a ser bem-vindos. O ‘Brelcome’ já atingiu oito milhões de britânicos nas redes sociais e em outras plataformas.

Juncker quer reunir Europa para decidir sobre Brexit, mas sem a presença do Reino Unido

“Não há Estados-membros de segunda categoria, mas se um Estado-membro decide deixar a UE, os 27 outros devem ter o direito de se reunir separadamente sobre as questões futuras”, defende o líder da Comissão Europeia.

Brexit: conversações entre Conservadores e Trabalhistas bloqueadas pelos… EUA

Em causa está a vontade de desregulamentação da parte dos Conservadores. Um acordo comercial entre o Reino Unido e os Estados Unidos não mexeria diretamente com o Brexit, mas daria uma perceção diferente do futuro.

Menos 900 mil automóveis por ano. ‘Hard Brexit’ pode provocar colapso na indústria automóvel britânica

Estudo surge depois de grandes fabricantes automóveis como a Jaguar Land Rover, a Ford, a Toyota, a Nissan e a BMW, emitirem avisos sobre o impacto de um Brexit sem acordo com Bruxelas. Encerramento de fábricas é uma possibilidade real.
Recomendadas

Bancos dão ordem para executar totalidade da Coleção Berardo

CGD, BCP e Novo Banco deram à execução penhores sobre 100% dos títulos de participação dados como garantia de créditos de mais de 900 milhões.

ASAE apanha talhos a vender carne falsificada e estragada

As principais infrações registadas foram o abate clandestino, a venda de produtos alimentares estragados ou falsificados e a fraude sobre mercadorias, tanto em talhos de rua como em superfícies comerciais.

Caixa Geral concedeu crédito de 125 milhões a Isabel dos Santos sem avaliar situação financeira

Caixa concedeu crédito sem avaliar a situação financeira da empresário. Crédito foi criticado pelo Banco de Portugal. Banco era liderado por Fernando Faria de Oliveira em 2009. Fonte próxima da empresária disse que o “crédito está em dia e grande parte já foi amortizado”.
Comentários