DBRS mantém notação AAA para o Reino Unido

Apesar de perceber os riscos associados a todos os cenários, mesmo o possível chumbo do acordo por parte da Câmara dos Comuns, a agência canadiana mantém a confiança nos fundamentais da economia britânica.

Peter Nicholls/REUTERS

A DBRS, agência de notação fundada em 1976 no Canadá, considera o esboço do acordo de retirada do Reino Unido da União Europeia (UE) “como um sinal positivo de que as autoridades alcançaram o próximo grande passo no processo do Brexit”. Apesar do risco significativo de que o acordo não seja ratificado pela Câmara dos Comuns, a DBRS “conclui que os fundamentos de crédito que sustentam as classificações AAA do Reino Unido permanecem inalterados”, de acordo com um relatório divulgado esta sexta-feira.

O acordo de retirada deve em seguida ser aprovado pelos 27 líderes da União na cimeira do Conselho Europeu, marcada para 25 de novembro, e depois ratificada pelo Parlamento do Reino Unido e pelo Parlamento Europeu. Se aprovado, o esboço do acordo tornar-se-á a base legal para a saída da Grã-Bretanha da UE.

No projeto de acordo, o Reino Unido permaneceria um “território aduaneiro” com a União, salienta a DBRS, para evitar uma fronteira difícil entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte até se encontrar uma solução permanente.

Volatilidade política recente – incluindo renúncias importantes dos gabinetes – não é surpreendente, e a DBRS “espera mais volatilidade no curto prazo. Após meses de discussões difíceis, a apresentação do acordo de retirada permite que os parlamentos do Reino Unido e da UE tenham a palavra final sobre os termos da partida do Reino Unido”.

A DBRS não exclui nenhum dos possíveis cenários, que vão desde a ratificação bem-sucedida do acordo de retirada (Brexit suave) até à ratificação mal sucedida (Brexit duro). “É possível que nos próximos dias ou meses o governo possa enfrentar um desafio de liderança do partido conservador, ser forçado a convocar uma eleição geral ou realizar um segundo referendo“.

A longo prazo, o Brexit poderia “comprometer a coesão e a resiliência do Reino Unido – um dos principais riscos que poderiam afetar o rating de crédito do Reino Unido”. Permanece uma incerteza significativa em relação a diferentes regimes regulamentares e aduaneiros entre a Irlanda do Norte e o continente, e como isso pode afetar o Reino Unido.

Por enquanto, a DBRS “vê poucas evidências de que o aumento da incerteza enfraqueceu materialmente os fundamentos de crédito do Reino Unido. Os ratings do Reino Unido são sustentados pela dimensão e pela resiliência da economia e dos mercados financeiros do Reino Unido”.

A DBRS considera a taxa de câmbio flexível do Reino Unido um absorvente de choque importante e os títulos do Tesouro de referência global facilitam os empréstimos de baixo custo em moeda local. “Essa capacidade é particularmente valiosa durante os períodos de aversão ao risco por parte dos investidores, o que ficou evidente na queda nos rendimentos das obrigações nas últimas semanas, quando as negociações do Brexit pareceram mais demoradas”. A muito favorável estrutura de vencimento da dívida pública no Reino Unido é outra das principais vantagens do crédito.

A DBRS espera que “os fundamentos de crédito do Reino Unido permaneçam intactos no curto prazo, mas continuarão a avaliar o impacto do Brexit e o período associado de incerteza política”. As classificações podem ficar sob pressão descendente de um dos seguintes fatores ou uma combinação desses fatores: um resultado do Brexit que diminui significativamente a resiliência económica e corrói a flexibilidade do financiamento da dívida do governo; desarranjos económicos e financeiros que deterioram os fundamentos do setor bancário ou a posição fiscal do país; e um aumento significativo na probabilidade de um desmembramento do Reino Unido.

Ler mais
Recomendadas

António Costa diz que só “iluminação divina” justificaria renegociação do Brexit

“Renegociar o quê? Tudo aquilo que tenho visto como críticas, aliás contraditórias, ao tratado, são pontos que não é possível mais renegociar”, disse o primeiro-ministro.

Brexit: Parlamento britânico vota acordo em janeiro

O Parlamento britânico votará em janeiro o acordo do ‘Brexit’, que foi negociado entre o Reino Unido e a União Europeia (UE), após o adiamento da votação marcada para esta semana, anunciou hoje o Governo britânico.

Brexit provoca quebra de 86 milhões de euros nas vendas de têxteis e vinho do Porto

Desde o referendo que ditou o Brexit que as exportações para o Reino Unido da indústria têxtil e do setor do vinho caíram 20% e 20,9%, respetivamente.
Comentários