DBRS mantém notação AAA para o Reino Unido

Apesar de perceber os riscos associados a todos os cenários, mesmo o possível chumbo do acordo por parte da Câmara dos Comuns, a agência canadiana mantém a confiança nos fundamentais da economia britânica.

Peter Nicholls/REUTERS

A DBRS, agência de notação fundada em 1976 no Canadá, considera o esboço do acordo de retirada do Reino Unido da União Europeia (UE) “como um sinal positivo de que as autoridades alcançaram o próximo grande passo no processo do Brexit”. Apesar do risco significativo de que o acordo não seja ratificado pela Câmara dos Comuns, a DBRS “conclui que os fundamentos de crédito que sustentam as classificações AAA do Reino Unido permanecem inalterados”, de acordo com um relatório divulgado esta sexta-feira.

O acordo de retirada deve em seguida ser aprovado pelos 27 líderes da União na cimeira do Conselho Europeu, marcada para 25 de novembro, e depois ratificada pelo Parlamento do Reino Unido e pelo Parlamento Europeu. Se aprovado, o esboço do acordo tornar-se-á a base legal para a saída da Grã-Bretanha da UE.

No projeto de acordo, o Reino Unido permaneceria um “território aduaneiro” com a União, salienta a DBRS, para evitar uma fronteira difícil entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte até se encontrar uma solução permanente.

Volatilidade política recente – incluindo renúncias importantes dos gabinetes – não é surpreendente, e a DBRS “espera mais volatilidade no curto prazo. Após meses de discussões difíceis, a apresentação do acordo de retirada permite que os parlamentos do Reino Unido e da UE tenham a palavra final sobre os termos da partida do Reino Unido”.

A DBRS não exclui nenhum dos possíveis cenários, que vão desde a ratificação bem-sucedida do acordo de retirada (Brexit suave) até à ratificação mal sucedida (Brexit duro). “É possível que nos próximos dias ou meses o governo possa enfrentar um desafio de liderança do partido conservador, ser forçado a convocar uma eleição geral ou realizar um segundo referendo“.

A longo prazo, o Brexit poderia “comprometer a coesão e a resiliência do Reino Unido – um dos principais riscos que poderiam afetar o rating de crédito do Reino Unido”. Permanece uma incerteza significativa em relação a diferentes regimes regulamentares e aduaneiros entre a Irlanda do Norte e o continente, e como isso pode afetar o Reino Unido.

Por enquanto, a DBRS “vê poucas evidências de que o aumento da incerteza enfraqueceu materialmente os fundamentos de crédito do Reino Unido. Os ratings do Reino Unido são sustentados pela dimensão e pela resiliência da economia e dos mercados financeiros do Reino Unido”.

A DBRS considera a taxa de câmbio flexível do Reino Unido um absorvente de choque importante e os títulos do Tesouro de referência global facilitam os empréstimos de baixo custo em moeda local. “Essa capacidade é particularmente valiosa durante os períodos de aversão ao risco por parte dos investidores, o que ficou evidente na queda nos rendimentos das obrigações nas últimas semanas, quando as negociações do Brexit pareceram mais demoradas”. A muito favorável estrutura de vencimento da dívida pública no Reino Unido é outra das principais vantagens do crédito.

A DBRS espera que “os fundamentos de crédito do Reino Unido permaneçam intactos no curto prazo, mas continuarão a avaliar o impacto do Brexit e o período associado de incerteza política”. As classificações podem ficar sob pressão descendente de um dos seguintes fatores ou uma combinação desses fatores: um resultado do Brexit que diminui significativamente a resiliência económica e corrói a flexibilidade do financiamento da dívida do governo; desarranjos económicos e financeiros que deterioram os fundamentos do setor bancário ou a posição fiscal do país; e um aumento significativo na probabilidade de um desmembramento do Reino Unido.

Ler mais
Recomendadas

Sete deputados abandonam Partido Trabalhista britânico

Chuka Umunna, Luciana Berger, Chris Leslie, Angela Smith, Mike Gapes, Gavin Shuker e Ann Coffey vão passar a ser considerados como deputados independentes.

Delegação do Parlamento Europeu impedida de entrar na Venezuela

A delegação estava composta pelos eurodeputados Esteban González Pons, José Ignácio Salafranca Sánchéz-Neyra e Juan Salafranca. Dela fazia parte também o eurodeputado português Paulo Rangel, que perdeu o voo de ligação entre Madrid e Caracas.

Depois das críticas do fundo americano, chineses da CTG garantem que continuam a trabalhar na OPA da EDP

A companhia estatal chinesa rejeitou comentar as críticas feitas pelo fundo Elliott, que considera que a OPA poderá provocar um “enfraquecimento da EDP”.
Comentários