De olhos postos no escritório do futuro

O tempo corre em favor das organizações que têm um plano de evolução do seu espaço de trabalho digital, e cujas práticas de gestão de informação estão alinhadas com as expectativas do seu ecossistema.

O conceito de espaço de trabalho do futuro tem várias perspetivas possíveis, sendo que existe um ponto comum inquestionável: a mudança está a acontecer e está em aceleração.

É possível refletir sobre perspetivas como o conforto do espaço físico, o mix espaço físico e virtual, o bem-estar das pessoas, o espaço de conectividade entre pessoas de gerações e áreas diferentes, o apoio da inteligência artificial e as plataformas de colaboração.

Contudo, existem pilares fundamentais para que a transformação surja, e que ainda não estão sólidos aos dias de hoje. Um desses pilares é a gestão da informação e dos processos de negócio, que, apesar de aparentar ser uma área de investimento há alguns anos, vários estudos concluem que a maturidade e sofisticação não estão ao nível desejado pelas organizações.

A Konica Minolta conduziu um estudo a nível europeu, que inclui feedback de 332 organizações e que evidencia como principais desafios: aumentar a eficiência dos processos chave; reduzir custos desnecessários; melhorar a experiência de cliente; reduzir atrasos e erros administrativos; cumprir normas de compliance; garantir a segurança da informação; assugurar a agilidade e flexibilidade organizacional e tecnologia adaptada à transformação do negócio. A destacar também alguns aspetos tecnológicos: não existe uma tendência óbvia entre SaaS e on permise, predominando o mix criterioso entre as duas abordagens.

Ao nível do retorno de investimento (ROI), cerca de 66% das empresas obteve retorno num período inferior a dois anos, e 33% das empresas atinge esse patamar num prazo de um ano.

Em suma, em termos de ROI, a maioria dos decisores considera o prazo de retorno muito satisfatório e com riscos baixos de não sucesso. Existe uma correlação entre investimento e crescimento, sobretudo entre empresas que investem nesta área, e o desempenho de negócio. Na perspetiva do mercado existem soluções maduras e à medida de cada empresa, o que permite reduzir os riscos da mudança e garantir uma implementação suave e acompanhada.

Contudo, para que a implementação seja efetiva existe um fator chave que são as pessoas e talentos. E, neste ponto, a modernização do espaço de trabalho e a garantia de processos organizados contribui não só para o aumento de produtividade, como também para a atração e retenção de talentos.

Existe, portanto, urgência de ação. O tempo corre em favor das organizações que têm um plano de evolução do seu espaço de trabalho digital, e cujas práticas de gestão de informação estão alinhadas com as expectativas do seu ecossistema (clientes, satisfação de clientes, fornecedores, regulação, segurança, colaboradores e parceiros).

Recomendadas

Falhas na rede móvel da NOS solucionadas. Operador vai averiguar “grave incidente”

A operadora admitiu que falha na rede “provocou interrupção do serviço de voz e dados”, “com impacto em clientes em algumas zonas do país”. Fonte oficial da NOS explicou ao JE que entre o reporte das falhas e a sua resolução passaram “apenas” duas horas e que os planos de contingência foram prontamente ativados e bem sucedidos.

Miguel Maya: “BCP já tem cinco mil operações por dia feitas por robôs”

“O BCP aprendeu com os erros do passado”, reconheceu o banqueiro. Miguel Maya disse que era preciso a tecnologia com a relação humana já que “a tecnologia é para servir a relação”, referiu.

Quatro azeites portugueses entre os 100 melhores do mundo

Três dos azeites portugueses premiados têm preços abaixos dos seis euros, com o quarto a custar dez euros.
Comentários