PremiumDebates Presidenciais: Momentos mais valiosos numa campanha limitada

Frente a frentes televisivos ganharam relevância numas eleições marcadas pela pandemia e redução de custos. Mais importante do que tudo o resto, os embates entre candidatos revelaram a experiência do incumbente, a preparação do “novato” Tiago Mayan Gonçalves e um interesse em ouvir André Ventura que pode ou não significar votos. Além de duas más notícias para Ana Gomes: a baixa audiência do debate com Marcelo e ter sido “esmagada” por ele.

Com a pandemia a limitar a campanha para as eleições presidenciais, marcadas para dia 24, os debates televisivos ganharam relevância maior do que em anos anteriores. Ainda que possam não ser tão decisivos quanto os debates presidenciais dos Estados Unidos (nos quais cada detalhe é negociado e pode gerar leituras políticas), os três frente a frentes mais vistos tiveram mais audiência do que o principal debate presidencial de 2016. Mas terão influenciado as intenções de voto dos portugueses? Os especialistas contactados pelo Jornal Económico concordam apenas que, devido à pandemia, terão uma importância maior do que as restantes ações de campanha.

Reconhecendo estar perante “a pior campanha presidencial de sempre ao nível da comunicação política”, ao ponto de o incumbente nem ter gravado tempos de antena, o consultor Rui Calafate nota que os três frente a frentes que mais atenções atraíram tiveram o líder do Chega como denominador comum. “As pessoas queriam ver André Ventura”, realça, apontando-o como um dos que tiveram melhores prestações, ao lado de Tiago Mayan Gonçalves, da Iniciativa Liberal, que, apesar do nervosismo patente na linguagem corporal, “preparou muito bem os debates”. Mas ambos atrás de Marcelo Rebelo de Sousa, ironicamente beneficiado pela ausência física no único debate que juntou os sete candidatos, transmitido nesta terça-feira pela RTP1. “Deu-lhe imenso jeito não estar lá”, considera o especialista em comunicação política.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

Covid-19: Uma centena de manifestantes anticonfinamento em Lisboa

À Lusa, o comissário Santos, da PSP, referiu que a concentração, promovida pelo Movimento Habeas Corpus, associado aos Juristas pela Verdade, chegou a reunir “cerca de cem pessoas”, por volta das 13h00, e que há meia hora estariam ainda 35 manifestantes no local.
Comentários