“Decisão tomada de comum acordo”. TVI reage à saída de Judite de Sousa

O comunicado sustenta que “a decisão foi tomada de comum acordo, depois de a jornalista ter demonstrado a sua vontade em terminar este ciclo da sua carreira”.

Depois de Judite de Sousa revelar a sua saída do canal privado TVI, foi a vez da estação de Queluz de Baixo reagir. A jornalista publicou um texto na sua conta pessoal de Instagram, onde “depois de uma longa e serena ponderação”, decidiu colocar um ponto final na relação profissional com a TVI.

No comunicado oficial da estação, a TVI “informa que Judite de Sousa, até à data diretora-adjunta de informação da TVI e da TVI24, jornalista e apresentadora de programas de informação, deixará de ter um vínculo contratual com a estação”, não indicando razão para a saída da apresentadora ao fim de oito anos.

“Por vontade sua e, depois de um longo percurso em que a jornalista dedicou a vida profissional à informação e ao sector, de forma isenta e profissional e com o inequívoco reconhecimento dos espectadores e dos portugueses pelo mundo fora, as partes chegaram a acordo relativamente ao término deste vínculo profissional”, lê-se no comunicado a que o Jornal Económico teve acesso.

O comunicado sustenta que “a decisão foi tomada de comum acordo, depois de a jornalista ter demonstrado a sua vontade em terminar este ciclo da sua carreira”. Assim, a TVI acedeu ao pedido da diretora-adjunta de informação dos dois canais da estação.

No entanto, a estação de Queluz de Baixo sustenta que “não pode deixar de mencionar e realçar o enorme reconhecimento do profissionalismo e da dedicação que sempre pautaram a conduta de Judite de Sousa”. “À Judite agradecemos ter percorrido estes últimos oito anos ao lado da TVI e desejamos todo o sucesso pessoal e profissional no futuro”, termina o comunicado da estação.

Relacionadas

Judite de Sousa revela saída da TVI “depois de longa e serena ponderação”

Agradecimentos a José Alberto Carvalho e a Sérgio Figueiredo surgem na sua publicação. Jornalista anuncia saída, oito anos após chegar à estação privada de Queluz de Baixo.
Recomendadas

PremiumCEO da Transavia: “Portugal é o nosso primeiro mercado”

Nathalie Stubler diz que as medidas tomadas no nosso país facilitaram a reabertura das operações.

Ministro britânico afirma que Huawei deverá reunir condições para desenvolvimento do 5G

“Tenho certeza de que o Conselho de Segurança Nacional analisará essas mesmas condições e tomará a decisão certa, para garantir que temos uma infraestrutura de telecomunicações muito forte, mas também segura”, disse este domingo Matt Hancock.

Empresas portuguesas podem pagar menos impostos em Angola

O governo angolano considera que o objetivo fundamental das alterações fiscais é “tornar ou desonerar a carga fiscal nos rendimentos mais baixos, conservar ou manter a carga fiscal dos rendimentos de escalões intermédios e introduzir progressividade nos rendimentos mais altos”.
Comentários