Deco apela a consumidores para partilharem imagens de produtos com uso excessivo de plástico

Maioria dos consumidores portugueses foram inquiridos por um estudo europeu e afirmam que o plástico de uso doméstico é um perigo para a saúde do planeta. A Deco vem assim apelar para que os consumidores partilhem imagens de produtos com uso excessivo de plástico.

Consumidores portugueses foram inquiridos por um estudo europeu e afirmam que o plástico de uso doméstico é um perigo para a saúde do planeta (94%). Mais de metade (55%) até se considera bem informada sobre este impacto ambiental específico, mas revela que os atos, algumas vezes, não corresponde à informação que já têm. O caso mais flagrante é ainda a utilização dos sacos de plástico que se leva para casa.

“O problema não é o plástico, mas o que fazemos dele”. A frase é do norueguês Erik Solheim, diretor da divisão de ambiente das Nações Unidas. Das mais de 360 milhões de toneladas de plástico produzidas anualmente, 13 milhões vão parar diretamente aos oceanos. Para a produção atual de plástico são necessários 17 milhões de barris de petróleo.

Associação da Defesa do Consumidor (DECO) vem assim apelar aos consumidores que exijam às empresas que eliminem ou apresentem alternativas para as embalagens com plástico a mais.

Para o efeito, a DECO disponibilizou um endereço de email (plasticoamais@deco.pt), uma página nas Redes Sociais e incentiva a utilização do hashtag #plasticoamais nas redes sociais, para que os consumidores partilhem fotografias de produtos, excessiva ou injustificadamente embalados em plástico.

Estas fotografias serão encaminhadas para os respetivos produtores/retalhistas para que estes apresentem soluções de redução ou alternativas para as respetivas embalagens.

Recomendadas

Tem carro a gasóleo? Vem aí novo aumento na próxima semana

Já a gasolina vai sofrer uma descida pela segunda semana consecutiva.

Premium“A classe média ainda não pode viver em Lisboa”

CEO e fundador da Essentia explica que, apesar de existir uma estabilização dos preços no mercado da reabilitação urbana, os portugueses que chegam ao centro histórico da cidade pertencem à “classe média alta e alta”.

Governo reforça camas para universitários

No âmbito do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior, as regiões do país ampliam a oferta de residências.
Comentários