Deco: mais de 38 mil consumidores discordam da recusa do Governo em não baixar IVA da energia

Milhares de portugueses já assinaram a carta aberta que a Deco vai enviar aos partidos políticos, exigindo a reposição da taxa de 6% de IVA na energia doméstica. Associação defende que “é a única forma de fazer baixar a fatura de forma imediata, direta e expressiva”.

Para que o IVA da energia doméstica (eletricidade, gás natural e gás engarrafado), em Portugal Continental, Açores e Madeira seja revisto dos atuais 23% para a taxa mínima, a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) pretende enviar uma carta aberta a todos os partidos com assento parlamentar, a exigir a reposição do IVA à taxa de 6% no Orçamento do Estado para 2019. A acção desencadeada pela Deco, designada “Bastam 6”, conta já com a assinatura de mais 38 mi consumidores, revela a Deco nesta quarta-feira, 3 de outubro.

Este  balanço da Deco surge depois de, nesta segunda-feira 1 de Outubro, o primeiro-ministro afirmou, em entrevista à TVI, que não vai baixar o IVA da energia.

“Reafirmamos a nossa posição: enquanto serviços públicos essenciais, a eletricidade e o gás natural e de botija devem ser taxados a 6%o e não devem depender das flutuações dos Orçamentos de Estado”, reage a Deco/Proteste que desafia os consumidores, que não o aceitem a continuar a pagar 23% de IVA por este serviço público essencial, a assinar a carta aberta pela descida deste imposto para a taxa mínima e colocar o tema na agenda do debate do Orçamento de Estado.

Segundo a Deco, para António Costa a solução para baixar a fatura é mexer nos custos da energia doméstica, mas essa medida, alerta, ”não garante a descida imediata”, pois, explica, “a maioria dos consumidores está no mercado liberalizado e o preço final é fixado pelo comercializador.

A associação conclui que “o passado mostra que, mesmo com a descida dos custos, a fatura não desceu”, defendendo, por isso, que “a única forma de fazer baixar a fatura imediatamente é a descida do IVA”. A Deco aponta aqui vários os exemplos que demonstram os desafios relacionados com os custos da energia doméstica. Começa por destacar e o caso dos Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC): “estão em vigor desde 2007, mas só agora se formalizou a comissão de inquérito que vai analisar a situação. Esta comissão poderá durar bastante tempo e o seu resultado é, para já, incerto”.

Recorda ainda outras tentativas de mexer em componentes dos Custos de Interesses Económicos Gerais (CIEG) que, frisa, “levantam sempre ameaças e guerras jurídicas”. A este respeito realça que “até o que está descrito numa lei como a Taxa de Ocupação de Subsolo (TOS) encontra dificuldade de aplicação: continua na fatura do gás natural, embora a decisão de a remover deste documento tenha quase dois anos”.

A Deco destaca também a Contribuição Extraordinária sobre o Setor Energético (CESE), que tem largos milhões de cobrança pendente (que não entraram nos cofres do Estado) e, como tal, conclui, “não se reflete numa baixa de preços para o consumidor”.

Sobre o impacto da perda de receita fiscal, estimada em 50 milhões de euros, segundo números avançados pelo Jornal de Negócios, a Deco  considera  que as contas divergem conforme a perspetiva de quem faz o cálculo. E dá aqui um exemplo: “o primeiro-ministro não está a considerar o efeito do aumento do rendimento disponível no aumento do consumo noutras áreas, o que o levará a receber maiores pagamentos de IVA”.

Deco fez as contas: poupanças poderiam ser de dezenas de euros

Segundo a Deco, com o IVA a 6%, os portugueses com uma fatura média mensal de 45 euros poupariam 70 euros, por ano, na eletricidade. No gás natural ou engarrafado, uma fatura média mensal de 25 euros passaria a custar menos 40 euros, por ano.

A Deco recorda que fala em reposição da taxa do IVA, porque a taxa não foi sempre de 23%. Em 2011, o Governo fez um acordo com a troika: Portugal recebia 78 mil milhões de euros e, em troca, assegurava a boa saúde das contas públicas. Por isso, entre outras medidas, os portugueses passaram a pagar 23% de IVA na eletricidade e no gás (natural).” Até aí, a taxa era de 6%. Sete anos depois, o IVA continua no máximo e ainda tem impacto na carteira das famílias”, acrescenta a associação.

Também a discussão sobre a redução do IVA na energia pelos partidos políticos não é nova. Dura há 4 anos, pelo menos, mas foi sempre afastada no momento da aprovação dos Orçamentos de Estado. Sem decisão nesse sentido, alerta a Deco, “ vamos bater-nos por uma causa que consideramos da mais elementar justiça social: taxar um serviço público essencial como tal”.

A Deco/Proteste destaca ainda que Portugal sempre se posicionou no pelotão da frente no preço da eletricidade, com valores acima da média europeia, recordando que a fatura é inflacionada por custos fixados administrativamente, e alguns não estão diretamente relacionados com a produção de eletricidade. À cabeça, encontramos os CIEG – Custos de Interesse Económico Geral, que representam cerca de 32% do total pago, por ano, pelos consumidores. Soma-se ainda um enorme défice tarifário a pagar nos próximos anos. Se lhes somarmos o IVA e outras taxas, ao todo, estes encargos representam 52% do total pelas contas da Deco.

A Associação conclui: ”não vemos razão para um serviço essencial como a energia continuar a ser taxado a 23%. Entre as diferentes opções que vão ser debatidas na Assembleia da República para o próximo ano, os consumidores querem manifestar a sua prioridade e esta passa pela reposição da taxa mínima de IVA”.

Ler mais

Relacionadas

Respostas rápidas: O que disse o primeiro-ministro sobre o OE2019?

Em entrevista à TVI, o primeiro-ministro revelou algumas medidas para o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019). Passe social, aumento do mínimo de existência, função pública e IVA da energia estão entre as matérias sobre as quais António Costa deixou pistas.

António Costa nega redução do IVA na eletricidade e gás por não ser “comportável”

Em entrevista à TVI, esta noite, o primeiro-ministro rejeitou a hipótese de reduzir o IVA aplicado à eletricidade e ao gás, medida que tem sido reivindicada pelo BE e pelo PCP. “Não nos parece ser comportável”, afirmou Costa. No entanto, ressalvou que “há outras maneiras” de fazer baixar os preços, nomeadamente através do défice tarifário.
Recomendadas

Endividamento da economia aumentou 3,1 mil milhões de euros em 2019

O endividamento da economia aumentou em termos nominais no final de 2019, face a igual período de 2018. No entanto, em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) caiu de 352,1% para 341,2%.

Dívida pública caiu para 118,2% em 2019, abaixo das estimativas do Governo

A dívida pública na ótica de Maastricht prossegue uma trajetória descendente, já que diminuiu face aos 122,2%, registados em 2018. Fixou-se ainda abaixo dos 118,9% esperados pelo Governo.

Isabel dos Santos impugna arresto de contas bancárias em Portugal

A empresária diz que não consegue pagar salários, ao fisco, Segurança Social e a fornecedores. Adianta ainda que as empresas nas quais detém participação maioritária têm empréstimos por reembolsar, no valor de 180 milhões de euros, tendo já reembolsado 391 milhões.
Comentários