Deco recebeu mais de 14 mil pedidos de ajuda de famílias desde o início da pandemia

As famílias apoiadas pelo Gabinete de Proteção Financeira (GPF) desde o início da crise pandémica têm um rendimento médio mensal que ronda os 1.100 euros, mas a sua taxa de esforço média situava-se nos 80% no final de setembro.

A Deco recebeu 14.400 pedidos de ajuda de famílias que enfrentam dificuldades financeiras desde 18 de março, dificuldades que se resultam sobretudo de desemprego e perda de rendimentos (em 26% e 25% dos casos, respetivamente), seguidos de precariedade laboral (12%) e de penhora de rendimentos e divórcio/separação (8% em ambos os casos).

Estas famílias apoiadas pelo Gabinete de Proteção Financeira (GPF) desde o início da crise pandémica têm um rendimento médio mensal que ronda os 1.100 euros, mas a sua taxa de esforço média situava-se nos 80%, isto no final de setembro.

Uma taxa de esforço situada neste valor é deveras alarmante, sobretudo se tivermos em conta que a mesma está a ser apurada sem os créditos que estão a ser objeto de moratória, pública ou privada.

Ou seja, no momento em que as moratórias concedidas no âmbito da pandemia de covid-19 começarem a terminar encontraremos famílias que vão ter ainda mais dificuldades em pagar as prestações dos créditos contraídos.

Falamos de taxa de esforço, mas de que se trata realmente? Terá o consumidor noção deste conceito?

A taxa de esforço é a parte do rendimento de um agregado familiar destinada ao pagamento de todos os compromissos financeiros, como seja o crédito à habitação ou o crédito pessoal, para além das despesas do dia-a-dia (por exemplo: alimentação, transportes e combustível, educação e lazer).

A taxa de esforço mede a capacidade do agregado familiar para cumprir os compromissos financeiros assumidos. Estes não devem, em média, ultrapassar 35% do rendimento líquido mensal do agregado familiar. Este valor é designado por taxa de esforço, calculando-se segundo a fórmula: Taxa de esforço = (Encargos financeiros mensais / Rendimento) x 100

Quanto maior for a taxa de esforço, maior o risco de surgirem dificuldades financeiras, no caso de ocorrer um imprevisto, como uma situação de desemprego, doença ou divórcio.

Se está a viver um período complicado e precisa de apoio ou aconselhamento, fale connosco: telefonicamente, para os nºs  213 710 238 /  22 339 19 6 ou por email: gas@deco.pt ou gas.norte@deco.pt. É também possível agendar atendimento via skype. Siga-nos nas páginas de Facebook, Twitter, Instagram e Linkedin.

Ler mais

Recomendadas

‘Falcões’ vs ‘pombas’ no BCE. Lagarde vai dar sinal forte, mas tensões devem adiar estímulos

O banco central da zona euro está novamente dividido entre os que querem mais estimulos já e os que preferem aguardar. Christine Lagarde tem espaço de manobra e deverá aguardar até dezembro, quando tiver novas projeções e melhor visão sobre riscos politicos. A mensagem de hoje deverá ser, portanto, de promessa de agir face ao aumento de riscos.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

O tema em destaque nesta quinta-feira é a reunião com os governadores do Banco Central Europeu. Na Assembleia da República o dia ficará marcado pelas audições ao Tribunal de Contas e ao ministro da Ciência sobre o Orçamento do Estado para 2021. O INE vai publicar estatísticas relativamente às empresas, ao turismo e desemprego.

Corrida à liderança da OCDE gera tensões entre EUA e Europa

A nomeação para o cargo poderá, segundo alguns analistas e políticos próximos da organização, definir o futuro da globalização. As diferentes preferências europeias e americanas podem levar a mais um foco de tensão entre os dois blocos, sendo que, caso Joe Biden vença, levanta-se a questão sobre a sua escolha para o cargo, que deverá diferir da expressa pelo presidente Trump.
Comentários