“Decreto-Lei é ilegal”: Sindicatos de professores reagem a decisão do Governo

Júlia Azevedo, presidente do Sindicato Independente de Professores, declarou ao Jornal Económico que o Decreto-Lei não foi negociado, não cumpre os compromissos assumidos e discrimina professores. A luta dos professores e educadores continua. Para amanhã está marcada uma manifestação nacional.

João Relvas / Lusa

No dia em que os professores cumprem o quarto e último dia de paralisação, o Conselho de Ministros aprovou o decreto-lei que reconhece a recuperação de 2 anos, 9 meses e 18 dias, à revelia dos sindicatos.

A solução encontrada pelo executivo – recuperação de 2 anos, 9 meses e 18 dias, a repercutir no escalão para o qual progridam a partir de 1 de janeiro de 2019 – permite, segundo o Ministério da Educação, “conciliar a contagem do tempo para efeitos de progressão entre 2011 e 2017 com a sustentabilidade orçamental”.

Pura retórica nas palavras dos sindicatos.  O projeto de Decreto-Lei mais não é do que a eliminação de 6,5 anos de trabalho aos professores. “É ilegal e, mesmo, de duvidosa constitucionalidade”, afirma a FENPROF.

“Ilegal”, vinca Júlia Azevedo, presidente do SIPE – Sindicato Independente de Professores e Educadores ao Jornal Económico. Por várias razões, que explicita. Primeira: “O decreto-Lei não foi negociado”. Segunda: “O Decreto-Lei não cumpre o compromisso assumido, o que permite a ultrapassagem de 46 mil professores”. Terceiro: “o Decreto-Lei não permite que os professores do 9.º e do 10. escalões sejam abrangidos. Além disso discrimina professores e não tem nenhuma solução para os professores que estão no 5.º e 7.º escalão.

Os professores e educadores continuam a exigir a contagem integral do tempo de serviço congelado: nove anos, quatro meses e dois dias de serviço. Para amanhã, sexta-feira, está marcada uma grande manifestação nacional, promovida pelas 10 estruturas sindicais que mobilizaram professores e educadores na greve de uma semana que hoje termina.

Relacionadas

Dois anos, nove meses e 18 dias: Professores vão recuperar parte do tempo de serviço

Reivindicação dos docentes passava por recuperar nove anos, quatro meses e dois dias mas vão receber apenas uma parte desse tempo de serviço.

Estas foram as escolas que fecharam no primeiro dia de greve dos professores

No primeiro dia, a adesão foi de 75% nos distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém. Esta quarta-feira, na região Centro ronda os 89%, segundo a FENPROF.

Mário Nogueira: quem é o homem que lidera os professores há 11 anos (c/vídeo)

Os professores iniciaram ontem uma nova greve, que vai durar até quinta-feira. A luta sindical confunde-se com a vida do dirigente da Fenprof, Mário Nogueira. Uma das primeiras manifestações aconteceu no gimnodesportivo de Tomar e acabou com uma barricada.
Recomendadas

Pedrógão Grande: Renegociação do contrato com o Estado implicou redução da faixa de limpeza, revela Ascendi

“Aquando da intervenção da ‘troika’ no nosso país houve uma renegociação do contrato de concessão com o Estado, em maio de 2013, o que obrigou a diminuir os serviços. Por isso, a faixa de gestão de combustível passou para exclusivamente três metros”, afirmou José Revés ao juiz de instrução do Tribunal da Comarca de Leiria.

“Já chega de intransigência e fingimento”. Professores exigem “negociação séria” com o Governo

Dia 25 de fevereiro é a data fixada pelo governo para voltar a negociar com os sindicatos dos professores. “Só espero que desta vez corresponda às expectativas dos professores e dos educadores”, afirmou Júlia Azevedo, presidente do Sindicato Independente de Professores e Educadores, ao Jornal Económico.

Ordem reage a parecer da PGR: “o mais importante é a legitimidade das reivindicações”

A Ordem dos Enfermeiros estranha que uma greve com serviços mínimos decretados por um tribunal arbitral seja considerada ilícita e sublinha que “o mais importante” é a legitimidade daquilo que os profissionais reivindicam.
Comentários